Governo libanês teme aumento de casos de covid-19 em Beirute

Priorização do atendimento dos 5.000 feridos em megaexplosão pode prejudicar controle da pandemia de coronavírus na capital libanesa

Líbano confirmou 5.062 infecções e 65 mortes por covid-19

Líbano confirmou 5.062 infecções e 65 mortes por covid-19

EFE/EPA - Wael Hamzeh - 05.08.2020

O governo do Líbano teme que a catástrofe desencadeada pela grande explosão na última terça-feira (4) no porto de Beirute e a emergência de saúde que causou poderia precipitar um aumento nos casos de covid-19 na capital.

O ministro da Saúde, Hamad Hassan, disse nesta quinta à rádio oficial libanesa que teme um "aumento do número de pacientes nos próximos dias" devido à necessidade de priorizar o atendimento às mais de 5 mil pessoas feridas pela explosão.

Ele também apontou que os equipamentos de proteção foram perdidos; portanto, o governo quer que os hospitais de campanha que estão sendo montados também atendam aos casos do novo coronavírus.

Colapso da saúde

Até o momento, o Líbano confirmou 5.062 infecções e 65 mortes por covid-19 e tem registrado um aumento significativo nos testes positivos nas últimas semanas.

O ministro indicou que já existem 137 mortos e mais de 5 mil feridos pela explosão que destruiu grande parte do porto de Beirute e deixou danos por vários quilômetros ao redor.

Os hospitais da capital libanesa entraram em colapso nas horas seguintes à tragédia, com milhares de pessoas chegando com ferimentos de vários tipos.

As autoridades da província de Beirute informaram que o prejuízo está estimado entre US$ 3 bilhões (cerca de R$ 15,9 bilhões) ou US$ 5 bilhões (cerca de R$ 26,5 bilhões) e que ainda cerca de 100 pessoas estão desaparecidas.

O país está de luto oficial há três dias desde ontem e a capital libanesa está em estado de emergência sob a supervisão das Forças Armadas, encarregada de manter a ordem.