Internacional Grécia anuncia que vai impor confinamento mais rigoroso

Grécia anuncia que vai impor confinamento mais rigoroso

Primeiro Ministro Kyriakos Mitsotakis afirmou que medida inclui o fechamento de escolas e lojas pelo país

Medida começa começa a valer na quinta-feira (11)

Medida começa começa a valer na quinta-feira (11)

Pixabay

A Grécia imporá confinamentos mais rigorosos, principalmente na região da Ática (Atenas), de quinta-feira (11) até o dia 28 de fevereiro, o que inclui o fechamento de escolas e lojas, exceto os serviços essenciais, anunciou nesta terça-feira (9) o primeiro-ministro.

"Por causa dos novos dados (sobre a recuperação do número de infectados), assumo a responsabilidade por implementar medidas complementares para a proteção da saúde pública", afirmou Kyriakos Mitsotakis em um pronunciamento transmitido na televisão.

"De quinta-feira até 28 de fevereiro, lojas e escolas vão fechar", ressaltou, em referência ao "aumento do número de internados na Ática e ao surgimento de uma variante da covid-19 que acelera os contágios".

Leia mais: Reino Unido exigirá dois testes de covid-19 para viajantes

Duas semanas atrás, os jardins de infância, escolas de ensino fundamental e médio reabriram após um fechamento de dois meses.

A emissora pública Ert informou que as igrejas e todas as lojas - exceto farmácias, supermercados, padarias e postos de gasolina - também irão fechar.

Segundo especialistas, "uma terceira onda" do coronavírus "chegará à Grécia", alertou o ministro da Saúde, Vassilis Kikilias, na manhã desta terça-feira diante das câmeras do canal privado OpenTv.

O número de casos até esta terça-feira aumentou para 1.526 frente aos 638 de segunda-feira, metade dos quais foram registrados em Atenas. O número total de pacientes intubados atualmente é de 277.

Leia mais: Hacker tenta envenenar sistema tratamento de água na Flórida

Em Atenas, 71% dos leitos nas unidades de terapia intensiva dos hospitais destinados à covid-19 estão ocupados, ante 62% há uma semana, explicou Kikilias.

Devido à precariedade do sistema hospitalar, as autoridades de saúde insistem sobre a necessidade de que mais medidas sejam tomadas diante do aumento do número diário de casos, especialmente em Atenas, onde mora mais de um terço da população do país.

Desde o início da pandemia, 6.017 pessoas morreram na Grécia.

Últimas