Guerra civil na Síria: veja a cobertura completa
Internacional Guerra na Síria: atirador de elite acerta grávida, e bala fica alojada na cabeça do feto

Guerra na Síria: atirador de elite acerta grávida, e bala fica alojada na cabeça do feto

Segundo rede humanitária, atiradores estão mirando mulheres grávidas e crianças

Guerra na Síria: raio-x mostra feto que levou tiro na cabeça ainda na barriga da mãe

Bala ficou alojada na cabeça do feto, que morreu

Bala ficou alojada na cabeça do feto, que morreu

Reprodução/cnn.com

A guerra civil na Síria já deixou mais de 100 mil pessoas mortas desde março de 2011, quando se iniciou a rebelião popular que logo se tornou uma revolta armada contra o presidente Bashar al Assad. E o terror do conflito parece não ter fim: segundo uma rede humanitária, atiradores de elite estão assassinando mulheres grávidas e crianças.

Um raio X divulgado nesta semana pela rede americana CNN mostra a imagem de um feto com uma bala alojada na cabeça. O bebê foi atingido quando ainda estava na barriga da mãe.

Segundo a rede humanitária Syria Relief, a mãe foi alvo de atiradores de elite em uma cidade no norte do país. A mulher sobreviveu ao ataque, mas a criança não.

Decapitações, estupros e tortura: a humanidade foi esquecida na Síria

De acordo com o médico britânico David Nott, que já trabalhou em vários hospitais sírios, os atiradores de elite estão fazendo um jogo de “tiro ao alvo”, e mulheres grávidas costumam estar nessa lista.

— A maioria dos bebês que retiramos [da barriga das mães] estavam com sete, oito ou nove meses de gestação. Isso significa que qualquer pessoa perceberia que essas mulheres estavam grávidas.

Crianças pequenas também são alvos prediletos desses atiradores de elite, diz o médico.

Fotos repassadas pela organização Syria Relief à emissora americana mostravam um criança de não mais de cinco anos, com as unhas pintadas e deitada na maca de um hospital com ferimentos na cabeça.

Nott afirma que, em um determinado dia, 90% das cirurgias realizadas eram de pessoas atingidas pelos chamados “snipers”.

— Depois de um certo tempo, percebemos que havia um padrão nesses ferimentos.