Internacional Há 12 anos no poder, Tayyip Erdogan vence eleições presidenciais na Turquia

Há 12 anos no poder, Tayyip Erdogan vence eleições presidenciais na Turquia

O primeiro-ministro ganhou com 54,7% dos votos e já fala em ficar a frente do país até 2023 

Tayyip Erdogan vence eleições presidenciais na Turquia

Recep Tayyip Erdogan, presidente eleito no primeiro turno na Turquia

Recep Tayyip Erdogan, presidente eleito no primeiro turno na Turquia

ADEM ALTAN/AFP

Tayyip Erdogan tornou-se o primeiro presidente eleito da Turquia depois de vencer as eleições neste domingo, disse o ministro da Justiça, Bekir Bozdag, em sua conta no Twitter.

— O presidente do Partido AK e primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, tornou-se o primeiro presidente eleito pelo povo.

De acordo com os resultados preliminares, o primeiro-ministro ganhou no primeiro turno com 54,7% dos votos. O rival mais próximo, Ekmeleddin Ihsanoglu, ficou com 36,7% e Selahattin Demirtas, aparece em terceiro lugar com 8,5%. Pelas regras, o candidato que obtivesse mais de 50% venceria as eleições, sem a necessidade de um segundo turno.

O presidente da Turquia tem poderes limitados e um papel mais cerimonial, embora Erdogan tenha dito que quer realizar uma reforma legal para conceder mais poder ao chefe do Estado. Para fazer esta reforma seria necessário uma mudança constitucional, o que só seria possível com uma ampla vitória do AKP (Partido da Justiça e Desenvolvimento), liderado pelo próprio Erdogan, nas eleições legislativas de 2015.

Até o momento Erdogan prometeu uma presidência "ativa", utilizando todas as funções do cargo, como a possibilidade de convocar e presidir as reuniões do gabinete de ministros. O presidente eleito, que esteve à frente do governo turco os últimos 12 anos, não oculta seu desejo de seguir no poder pelo menos até 2023, quando será celebrado o centenário da fundação da República Turca.

Aproximadamente 53 milhões de turcos foram convocados para votar e a participação popular foi de 75%, segundo a imprensa turca, abaixo de 89% registrado nas eleições locais de março. Todos os analistas coincidiram que uma baixa participação beneficiaria Erdogan, já que seu eleitorado conservador é mais fiel que o dos partidos laicos da oposição.

O principal rival de Erdogan, Ekmeleddin Ihsanoglu, de 70 anos, não despertou entusiasmo entre os eleitores dos dois partidos opositores, o social-democrata CHP e o nacionalista MHP, e seus resultados ficaram abaixo do apoio que estas legendas costumam obter de forma combinada.

O terceiro candidato, o jovem político curdo Selahattin Demirtas, alcançou um bom resultado para seu partido, o pró-curdo BDP, que nunca teve mais de 7% dos votos, ao conseguir a adesão de eleitores laicos turcos atraídos por seu ideário de esquerda.