Hong Kong vive 1° dia sem novos casos locais de covid desde julho

Região também teve apenas quatro casos importados, menor número desde o fim de junho, pouco antes da terceira onda de infecções

Cidade começa a flexibilizar algumas medidas restritivas

Cidade começa a flexibilizar algumas medidas restritivas

Yik Lam/Reuters

As autoridades de Hong Kong informaram nesta terça-feira (15) que não foram registrados casos de transmissão local de covid-19 nas últimas 24 horas, sendo a primeira vez que isso acontece desde o início da terceira onda de infecções, em julho.

De acordo com o último relatório do Centro de Proteção à Saúde da cidade semi-autônoma chinesa, os únicos quatro novos casos detectados são "importados", ou seja, pessoas que chegaram de outros países.

Com apenas quatro infecções em 24 horas, este também é o menor número de novos casos desde 30 de junho, pouco antes da terceira onda, quando apenas dois importados foram registrados, aponta o jornal local South China Morning Post.

Leia também: Mundo chega a 29 milhões de casos de covid-19

Até aquele momento, havia apenas cerca de 1.200 casos de covid-19 na cidade, mas aquela maré de infecções elevou drasticamente esse número, que atualmente é de quase 5.000, com 101 mortes.

No entanto, de acordo com dados oficiais, nas últimas duas semanas o número de novas infecções detectadas representa apenas 3,2% do total, o que mostra que a taxa de propagação do vírus está, pelo menos por enquanto, controlada.

Desta forma, o governo local decidiu hoje flexibilizar ainda mais as medidas de prevenção do contágio, e permitirá que bares, parques temáticos, karaokês, centros de exposições, discotecas e piscinas reabram suas portas a partir da próxima sexta-feira (18).

No que diz respeito ao uso de máscaras, a regra que obrigava sua utilização também em ginásios ou instalações desportivas será abrandada, embora nas restantes áreas públicas continue a ser obrigatória.

Porém, o governo manterá a proibição de reuniões públicas com mais de quatro pessoas e ainda não vai permitir que as praias voltem a ser abertas ao público.

A secretária de Saúde local, Sophia Chan, disse hoje que as medidas de distância social não serão encerradas até o fim da pandemia e descartou que isso aconteça até que uma vacina eficaz seja encontrada.

De acordo com a televisão pública RTHK, Chan também alertou para a possibilidade de uma quarta onda de infecções ocorrer na ex-colônia britânica durante os meses do inverno asiático.