Internacional Houthis denunciam a morte de mais de 2.500 civis desde o início da ofensiva no Iêmen

Houthis denunciam a morte de mais de 2.500 civis desde o início da ofensiva no Iêmen

381 crianças fazem parte das baixas, de acordo com porta-voz do exército

Conflitos no país tiveram início no dia 26 de março

Conflitos no país tiveram início no dia 26 de março

REUTERS/Naiyf Rahma

O porta-voz do exército iemenita, leal aos rebeldes houthis, disse nesta segunda-feira (13) que 2.571 civis morreram no país desde 26 de março, quando a coalizão árabe iniciou seus bombardeios no Iêmen.

Em entrevista coletiva em Sana, Sharaf Luqman disse que entre os mortos estavam 381 crianças menores de 15 anos e 214 mulheres, das quais cinco estavam grávidas. Já o número de feridos em todo o país é de 3.897, segundo o coronel iemenita, que acrescentou que este número inclui 613 menores e 457 mulheres.

Arábia Saudita recusa pedido do Irã de cessar-fogo no Iêmen

De acordo com o porta-voz, a aviação da coalizão árabe, liderada pela Arábia Saudita, bombardeou 334 núcleos residenciais, o que causou a destruição de um total de 2.265 casas. Devido aos ataques aéreos e à violência, cerca de 40 mil famílias abandonaram seus lares para buscar refúgio em zonas mais seguras.

Além disso, 1.200 edifícios governamentais e públicos sofreram danos, entre eles 72 escolas, das quais três foram bombardeadas enquanto os estudantes ainda se encontravam em seu interior, segundo o coronel.

Na última quinta-feira (9), o porta-voz informou que mil pessoas tinham morrido desde o início dos bombardeios. Luqman explicou que a diferença de números se deve ao cálculo anterior ter se baseado em dados extraoficiais, e que agora a contagem foi realizada pelas autoridades.

Presidente do Iêmen no exílio aponta político conciliador como vice

O diretor do gabinete de Saúde da cidade de Áden, Lajdar Lasur, disse ontem à Agência Efe que desde o início dos bombardeios morreram pelo menos 229 pessoas na região, uma das mais afetadas pelos combates. Luqman afirmou que a destruição é "sistemática" e que o exército iemenita responderá de maneira "forte, decidida e dura no momento adequado".

"Nos traíram. Não estávamos preparados porque não esperávamos que um vizinho (Arábia Saudita) nos atacasse", justificou o porta-voz. Para o coronel, no entanto, a coalizão não se atreveu a enfrentar por terra as forças armadas iemenitas.

O militar afirmou que o objetivo principal da coalizão é "cercar por via aérea, marítima e terrestre (o Iêmen) para causar uma crise de fome e obrigar o povo iemenita a se ajoelhar".

"Desejávamos que toda esta concentração de forças árabes fosse dirigida contra Israel, que oprime o povo árabe há décadas", concluiu.

Desde que começou a operação "Tempestade de Firmeza", são frequentes as denúncias de que os bombardeios causaram vítimas civis. A coalizão diz que ataca alvos precisos em mãos dos houthis, mas que o movimento xiita se esconde entre a população e a utiliza como escudo humano.

Ontem, um ataque aéreo da coalizão provocou a morte de pelo menos 15 civis e deixou oito feridos na província de Taiz, no sudoeste do Iêmen. A Arábia Saudita e oito aliados árabes justificam a ofensiva pela necessidade de defender a legitimidade do presidente iemenita Abdo Rabbo Mansour Hadi, a suposta ameaça que os houthis representariam para a Arábia Saudita e o perigo do Irã estender sua influência na região por meio dos rebeldes.

    Access log