Coronavírus

Internacional Hungria desinfetará dinheiro para evitar contágios de coronavírus

Hungria desinfetará dinheiro para evitar contágios de coronavírus

Hungria é o primeiro país europeu a utilizar tecnologia, já aplicada na China e na Coreia do Sul, para evitar propagação do vírus através do dinheiro

  • Internacional | Da EFE

Cédulas e moedas de florim húngaro serão desinfetadas

Cédulas e moedas de florim húngaro serão desinfetadas

WikiCommons

O Banco Nacional da Hungria anunciou nesta terça-feira (10) que submeterá a uma quarentena as cédulas de florim húngaro e outras moedas que circulam pelo país para desinfetá-las, informou o portal HVG, numa tentativa de conter a propagação do coronavírus.

Neste processo, as notas embaladas em película retrátil são armazenadas em um recipiente durante duas semanas e depois submetidas a um breve tratamento térmico entre 160 e 170 graus Celsius.

A Hungria é o primeiro país europeu a utilizar esta tecnologia, já aplicada na China e na Coreia do Sul, para evitar a propagação do coronavírus através do dinheiro.

Coronavírus pode 'durar dias' em superfícies infectadas

Um estudo realizado por epidemiologistas do governo chinês e noticiado pela imprensa do gigante asiático afirma que o novo coronavírus pode "durar dias" em superfícies onde caem gotículas respiratórias infectadas, incluindo o papel, o que aumenta o risco de contágio se uma pessoa tocar nele e depois esfregar o rosto.

Segundo as pesquisas, o tempo de duração do coronavírus na superfície depende de fatores como a temperatura: por exemplo, a cerca de 37 graus Celsius, pode sobreviver de dois a três dias em materiais como vidro, pano, metal, plástico e papel.

Os autores do estudo também concluíram que este coronavírus pode sobreviver no ar por pelo menos 30 minutos e se espalhar até 4,5 metros. Até o momento, a Hungria confirmou 12 casos de coronavírus.

Últimas