Estados Unidos

Internacional Impeachment: líder republicano votará para absolver Trump

Impeachment: líder republicano votará para absolver Trump

Senador Mitch McConnell revelou sua decisão a colegas de partido. Julgamento do ex-presidente ocorre neste sábado (13)

  • Internacional | Do R7, com informações da AFP

Apoiadores de Trump invadiram o Capitólio em 6 de janeiro e confusão acabou com 5 mortes

Apoiadores de Trump invadiram o Capitólio em 6 de janeiro e confusão acabou com 5 mortes

Will Oliver / EFE - EPA - 6.1.2021

O líder da minoria republicana no Senado dos EUA, Mitch McConnell, votará a favor da absolvição do ex-presidente Donald Trump, do mesmo partido, no julgamento de impeachment que ocorre neste sábado (13). O resultado deve sair ainda hoje.

O voto do líder da bancada indica que o processo provavelmente terminará com a absolvição do ex-presidente, como esperado, já que os democratas precisam obter dois terços dos votos e só têm 50 das 100 cadeiras na Câmara Alta.

“O impeachment é um processo para destituir e, portanto, falta jurisdição a esse respeito”, disse o líder republicano em uma carta a seus correligionários, na qual afirmou ainda que foi uma decisão “difícil” . "Levando em conta essas conclusões, vou votar pela absolvição", disse ele.

O líder do partido chamou os senadores para votarem conscientemente no início do processo e os liberou para tomarem suas próprias decisões.

Julgamento neste sábado

O Senado retomou o debate sobre o impeachment no sábado para discutir se permite depoimentos no processo, antes das alegações finais.

Os senadores devem anunciar a decisão ainda hoje.

O ex-presidente é acusado de "incitamento à insurreição" pelo ataque de seus partidários ao Capitólio, sede do Congresso, em 6 de janeiro, no segundo julgamento político contra ele.

Naquele momento, acontecia uma sessão conjunta do parlamento para contabilizar os votos do Colégio Eleitoral, última etapa para oficializar os resultado da eleição presidencial de 2020, com derrota de Trump para o democrata Joe Biden. A violência acabou com cinco mortes.

Últimas