Novo Coronavírus

Internacional Índia impõe confinamento para evitar disseminação do coronavírus

Índia impõe confinamento para evitar disseminação do coronavírus

A Índia, o terceiro país mais afetado pela pandemia atrás dos Estados Unidos, com 3,8 milhões de casos confirmados, e Brasil com 2,1 milhões

  • Internacional | Da EFE

Equipes fazem desinfecção enquanto governo determina lockdown na Índia

Equipes fazem desinfecção enquanto governo determina lockdown na Índia

PIYAL ADHIKARY/ EPA/ EFE/ 23.07.2020

Várias regiões da Índia impuseram nesta quinta-feira (23) o confinamento da população para combater o aumento de infecções pelo novo coronavírus, que no país já ultrapassam 1,2 milhão, com cerca de 30 mil mortes.

Leia mais: Índia se torna 3º país do mundo com mais de 1 milhão de casos de covid

A Índia, o terceiro país mais afetado pela pandemia atrás dos Estados Unidos (com 3,8 milhões de casos confirmados) e Brasil (2,1 milhões), busca com essas medidas reduzir uma curva de infecção que começa a piorar desde que no dia 8 de junho teve início o relaxamento das restrições impostas no final de março.

Segundo os dados mais recentes divulgados pelo Ministério da Saúde, o maior número de novos casos foi registrado nos maiores estados do país, como o oeste de Maharashtra, que abriga a capital financeira, Mumbai, e que atingiu 337.607 casos. Embora o aumento também tenha afetado estados menores, que estão registrando aumento nas infecções.

Preocupados com a disseminação do vírus, essa situação levou vários governos regionais a impor novas restrições.

Entre essas regiões encontra-se a Caxemira indiana, que com quase 16 mil casos, anunciou o "fechamento total" e o confinamento de seus habitantes por seis dias, a partir de hoje, com exceção de serviços essenciais, transporte de carga, atividades agrícola e construção.

O estado de maioria muçulmana impôs essas medidas quase uma semana antes do festival Eid-ul-Adha, ou Festa do Sacrifício, para evitar multidões nos mercados, disse um funcionário da administração do distrito de Srinagar, que pediu anonimato, à Agência Efe.

Restrições religiosas

Além disso, no início da semana, o governo cancelou a peregrinação anual hindu a um santuário em cavernas no Himalaia da Caxemira, devido ao forte aumento nos casos do novo coronavírus que estavam sendo registrados na região.

As restrições também foram novamente impostas em outras partes da Índia, como no estado de Manipur, no nordeste do país, onde o governo ordenou um fechamento completo por 14 dias a partir de ontem, em meio a um forte aumento no número de infecções.

Na vizinha Bengala, no leste da Índia, a rotina também foi abruptamente parada hoje com um novo confinamento para controlar a pandemia, com a singularidade de que a estratégia da região se baseia em limitar o confinamento da população durante dois dias por semana até agosto, com lojas fechadas e o corte da circulação.

Do lado positivo, a Índia registrou hoje, pelo segundo dia consecutivo, o maior número de altas em 24 horas, com 29.557, de modo que o número de pacientes recuperados agora está perto dos 800 mil.

Últimas