Irã alerta que bases e navios dos EUA estão ao alcance de mísseis

Comandante dos Guardiões da Revolução do país afirmou que organização está 'monitorando constantemente' as embarcações americanas

Irã alerta que bases e navios dos EUA estão ao alcance de mísseis

'Irã está pronto para uma grande guerra', diz Hajizadeh

'Irã está pronto para uma grande guerra', diz Hajizadeh

Meghdad Madadi/EFE - 21.6.2019

O comandante dos Guardiões da Revolução do Irã, Amir Ali Hajizadeh, alertou neste domingo (15) que as bases militares e os navios dos Estados Unidos no golfo Pérsico estão ao alcance dos mísseis iranianos.

"Além das bases americanas na região, temos todas as suas embarcações, incluindo navios de guerra, a uma distância de até 2.000 quilômetros ao alcance do fogo de nossos mísseis", disse o comandante da Divisão Aeroespacial dos Guardiões.

Hayizadeh explicou que a organização está "monitorando constantemente" as embarcações americanas, segundo as declarações divulgadas pela agência semioficial Fars.

"Em qualquer ponto que estejam, é suficiente que surja a faísca da guerra para que ataquemos as suas embarcações", ameaçou Hayizadeh.

O comandante citou como eventuais alvos os navios de guerra americanos no mar de Omã e as bases militares do país no Catar e nos Emirados Árabes.

Embora diga acreditar que os EUA não buscam um conflito, Hayizadeh ressaltou que o Irã desenvolveu a sua capacidade defensiva e está "preparado para uma grande guerra".

EUA acusa Irã de ser responsável por ataque em refinaria saudita

Essas declarações coincidem com as acusações feitas no sábado pelo secretário de Estado americano, Mike Pompeo, sobre a possível responsabilidade do Irã nos ataques com drones contra a companhia de petróleo estatal saudita Aramco.

Os ataques, que provocaram um corte de aproximadamente 50% da produção de petróleo da Aramco, foram reivindicados pelos rebeldes houthis iemenitas, que contam com o apoio do Irã.

O Ministério das Relações Exteriores iraniano negou neste domingo qualquer envolvimento do país nos ataques e denunciou planos de serviços de inteligência para "destruir a imagem" do Irã.

A tensão entre Irã e EUA aumentou desde que Donald Trump retirou o governo americano do acordo nuclear de 2015 e voltou a impor sanções ao regime iraniano no ano passado, inclusive ao setor do petróleo.

Somado a isso há uma crescente instabilidade no golfo Pérsico, onde nos últimos meses ocorreram ataques a navios e a destruição de um drone americano pela Guarda Revolucionária.