Irã anuncia prisão de envolvidos em avião da Ucrânia abatido por míssil

O país punirá todos os responsáveis ​​pelo abate acidental de um avião de passageiros ucraniano, disse o presidente Hassan Rouhani nesta terça (14)

Turbina de avião abatido por míssil no Irã

Turbina de avião abatido por míssil no Irã

Reprodução via Reuters

O Judiciário do Irã afirmou, nesta terça-feira (14), que prendeu 30 envolvidos no acidente com o avião ucraniano em Teerã. De acordo com o governo do país, o boeing 737 foi acidentalmente atingido por um míssil iraniano, disse o porta-voz do justiça Gholamhossein Esmaili.

Manifestantes exigem renúncia de líderes do Irã após abate de avião

O Irã punirá todos os responsáveis ​​pelo abate acidental de um avião de passageiros ucraniano, disse o presidente Hassan Rouhani em um discurso televisionado na terça-feira (14), acrescentando que o "trágico evento" seria investigado minuciosamente.

"Foi um erro imperdoável ... uma pessoa não pode ser a única responsável pelo acidente de avião", disse ele. Segundo o presidente, não apenas a pessoa que supostamente apertou o botão do míssil será punida, mas também outros responsáveis pelo fato.

"As forças armadas iranianas admitindo seu erro são um bom primeiro passo ... Devemos garantir às pessoas que isso não acontecerá novamente", disse ele, acrescentando que seu governo é "responsável perante o iraniano e outras nações que perderam vidas no acidente de avião" .

A queda do avião

O avião da UIA transportava 167 passageiros, incluindo 82 iranianos e 63 canadenses, embora estes últimos tivessem na sua maioria dupla nacionalidade, e nove tripulantes ucranianos.

A aeronave caiu ao sul de Teerã na última quarta-feira (8), logo após decolar do Aeroporto Internacional de Tehran Imam Khomeini, com destino a Kiev.