Internacional Irã classifica acordo entre Israel e Emirados Árabes como 'estupidez'

Irã classifica acordo entre Israel e Emirados Árabes como 'estupidez'

Irã disse que é 'vergonhosa ' a decisão dos Emirados Árabes, de normalizar os laços com Israel,  que classifica como um 'regime falso e desumano'

Irã criticou acordo anunciado entre Israel e EA

Irã criticou acordo anunciado entre Israel e EA

Fotos: Arquivo EFE / Montagem: R7

O governo do Irã classificou nesta sexta-feira (14), em comunicado, como "estupidez estratégica" o acordo anunciado entre Israel e Emirados Árabes, para normalizar as relações entre ambos.

"Resultará, sem sombra de dúvidas, em um maior fortalecimento do Eixo de Resistência na região, promovendo a unidade e a solidariedade contra o regime sionista", alertou o Ministério das Relações Exteriores iraniano.

O bloco referido pela Chancelaria é encabeçado pelo Irã e integrado pela Síria e grupos como o palestino Hamas e o libanês Hezbollah.

"O sangue inocente derramado durante as últimas sete décadas de resistência, para libertar a terra sagrada da Palestina, cedo ou tarde, pegará pelo pescoço aqueles que traem a causa palestina", diz o texto emitido pela pasta de Relações Exteriores.

Para o Irã, segundo o documento, é "perigosa e vergonhosa" a decisão dos Emirados Árabes, de normalizar os laços com Israel, que classifica como um "regime falso, ilegítimo e desumano".

Além disso, o texto divulgado pela Chancelaria afirma que o pacto é uma "punhalada pelas costas aos palestinos e muçulmanos", além de um acordo imperdoável.

O Ministério das Relações Exteriores lançou um alerta à Israel sobre qualquer "intromissão" na região do Golfo Pérsico" e responsabilizou os Emirados por eventuais ingerências, depois de se tornarem o terceiro país a normalizar relações com Israel.

Antes, Egito, em 1979, e Jordânia, em 1994, tomaram o mesmo passo.

O acordo anunciado ontem, que teve os Estados Unidos como mediador, estipula que as autoridades israelenses, suspenderão temporariamente a anexação de parte da Cisjordânia.

Últimas