Internacional Irã limitará inspeções nucleares a partir da semana que vem, diz AIEA

Irã limitará inspeções nucleares a partir da semana que vem, diz AIEA

Regime iraniano quer pressionar os EUA a voltar ao acordo nuclear e retirar sanções de comércio internacional

Irã deve restringir inspeções da AIEA já na semana que vem, disse a agência

Irã deve restringir inspeções da AIEA já na semana que vem, disse a agência

WANA (West Asia News Agency) via REUTERS

A Agência Internacional de Energia Atómica ou Atômica (AIEA) informou nesta terça-feira (16) que o Irã reduzirá sua cooperação e limitará o acesso dos inspetores internacionais a certas instalações a partir da próxima terça-feira (23).

Leia também: Três países europeus exigem que Irã interrompa produção de urânio

De acordo com a agência da ONU, o Irã deixará de aplicar "medidas voluntárias de transparência" do acordo nuclear assinado em 2015. Além disso, o governo iraniano comunicou que deixará de aplicar o chamado Protocolo Adicional, que permite que os inspetores da AIEA visitem no curto prazo e sem aviso prévio qualquer instalação nuclear civil ou militar do país.

"O Irã informou em 15 de fevereiro que o país deixará de implementar, a partir de 23 de fevereiro, medidas voluntárias de transparência ao acordo, incluindo o Protocolo Adicional", disse a agência em comunicado.

O diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, disse estar disposto a viajar para o Irã com o objetivo de "encontrar uma solução aceitável para que a agência continue o seu trabalho de verificação essencial".

Pressão pelo acordo nuclear

O Ministério das Relações Exteriores do Irã ameaçou na segunda-feira dar este passo se não houver progressos na volta dos EUA ao acordo nuclear.

"Caso as outras partes não cumpram os seus compromissos, o governo iraniano será obrigado a suspender a implementação voluntária do Protocolo Adicional", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Saeed Khatibzadeh.

O acordo nuclear foi assinado em 2015 entre Irã e seis outros países (EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha) para restringir o programa atômico iraniano em troca da suspensão das sanções internacionais. Os EUA abandonaram o tratado durante o governo Trump e Joe Biden disse que deseja retomá-lo.

Últimas