Coronavírus

Internacional Israel aprova vacinação para adolescentes entre 12 e 15 anos

Israel aprova vacinação para adolescentes entre 12 e 15 anos

Anúncio feito após estudos sobre um possível vínculo entre a vacina da e uma inflamação no músculo do coração em jovens

AFP
Autoridades médicas estudaram vínculo entre vacinas e miocardite

Autoridades médicas estudaram vínculo entre vacinas e miocardite

Ronen Zvulun/Reuters

O ministério da Saúde israelense anunciou, nesta quarta-feira (2), que os adolescentes entre 12 e 15 anos poderão ser vacinados contra a  covid-19. apesar de "um vínculo possível" entre a vacina da Pfizer e a miocardite, uma inflamação no músculo do coração, em jovens.

Na terça-feira (1º), Israel levantou praticamente todas as restrições por covid após uma ampla e rápida campanha de vacinação em nível nacional para maiores de 16 anos. Nesse dia, foram registrados apenas quatro novos casos.

O anúncio foi feito após o ministério da Saúde israelense concluuir as investigações sobre um possível vínculo entre a miocardite, ou inflamação do músculo cardíaco, e a vacina da Pfizer aplicada no país.

Uma sequência de 275 casos de miocardite ocorridos entre dezembro de 2020 e maio de 2021 sobre mais de cinco milhões de pessoas vacinadas, determinou que 148 deles "ocorreram muito perto do momento da vacinação", 27 após a primeira dose e 121 depois da segunda.

"Existe alguma probabilidade de um eventual vínculo entre a segunda vacina e a aparição de miocardite entre meninos jovens de 16 a 30 anos", disse o ministério, e "foi mais forte entre a faixa etária mais jovem, entre 16 e 19".

Além disso, o ministério indicou que 95% das pessoas com miocardite "foi considerada com casos leves" e recomendou a vacinação "para os grupos de risco, incluindo adolescentes com risco médico de desenvolver casos graves de coronavírus, adolescentes que vivem com familiares de risco e as famílias que planejam viajar para o exterior".

Últimas