Internacional Israel observa relação da China com o Irã e busca conter Hezbollah

Israel observa relação da China com o Irã e busca conter Hezbollah

Centro voltado à segurança diz que Israel tem boa relação com China, mas alertará para que Irã não ultrapasse "linhas vermelhas", se necessário

  • Internacional | Eugenio Goussinsky, do R7

Soldados israelenses monitoram a fronteira

Soldados israelenses monitoram a fronteira

Atef Safadi/EFE/27-07-20

Em palestra online realizada pelo Ministério das Relações Exteriores de Israel, a tenente-coronel do Exército de Israel, Sarit Zehavi, fundadora e diretora executiva do Alma Research and Education Center, mostrou inúmeras fotos de símbolos do Hezbollah, com bandeiras do Líbano e até do Irã, na fronteira com Israel. 

Leia mais: Afinal, a pandemia se parece tanto assim com uma guerra?

Perguntados pelo R7, após o evento, Tal Beeri, chefe do Departamento de Pesquisa e especialista nos desafios de segurança de Israel nas fronteiras do norte, e Ibrahim Abu Ahmed, pesquisador sênior (ambos do Alma Center), destacaram que a guerra na Síria impulsionou o crescimento do número de militantes do grupo na região.

Nos últimos dias, alguns confrontos pontuais ocorreram na área, perto de onde, no início do século 20, era um pântano, que se desenvolveu a partir da chegada de colonos judeus ao vale do Hula. Neste momento, Israel mantém atenção ainda maior às movimentações e, para manter seus cidadãos protegidos, tem aumentado a segurança na fronteira. Veja a opinião dos especialistas sobre essa questão.

R7 - A guerra síria ajudou o Hezbollah a ter uma presença maior na fronteira norte de Israel?

Tal Beeri  e Abu Ahmed - A guerra na Síria ajudou o Hezbollah em vários níveis. Primeiro, o Hezbollah foi capaz de estabelecer uma frente adicional contra Israel, além de sua base no sul do Líbano. Agora também opera no lado sírio do Golã desde que o governo sírio e seus aliados recuperaram o controle de toda a fronteira no verão de 2018.

R7- O que houve a partir da retomada do controle sírio?

TB e AA - Desde então, o Hezbollah colocou duas unidades operacionais sob o patrocínio iraniano em frente à fronteira israelense. A primeira unidade é a "Southern Headquarters Unit" (Unidade da sede sulista) cujo papel central é criar infraestrutura operacional para todas as operações do Hezbollah no sul da Síria, enfatizando a fronteira com Israel e permitindo que forças pró-iranianas, como as milícias xiitas, iniciem uma campanha contra Israel se e quando a ordem for dada. Isso inclui reunir cursos de inteligência e treinamento para o exército sírio, bem como criar a plataforma operacional de emergência.

R7 - E a segunda frente é mais direcionada a militantes do próprio Hezbollah?

TB e AA - A segunda unidade é a Golan Portfolio Unit (Unidade de Golã), que trabalha para construir uma infraestrutura de células terroristas no sul da Síria. O objetivo da infraestrutura é reunir informações para realizar operações terroristas na direção da unidade, com base em moradores locais contra Israel.
 

R7 - Neste sentido, a guerra síria incrementou mesmo posições do Hezbollah na região...

TB e AA - Além de adicionar uma nova frente contra Israel da Síria, o Hezbollah também ganhou mais experiência militar. Nesta guerra, o Hezbollah usou a Síria e seu povo como campo de treinamento; ganhando experiência na infiltração de cidades e ocupando pequenas aldeias, o que o Hezbollah pode tentar fazer na fronteira libanesa infiltrando-se em comunidades fronteiriças israelenses. Além disso, esta guerra fortaleceu a conexão e as relações entre o Hezbollah e os outros grupos pró-xiitas que estão estabelecidos na Síria, e  também poderia usar o sudoeste sírio para participar de futuros confrontos com Israel.

R7 - Como vinha crescendo a atuação do Hezbollah na fronteira?

TB e AA - Desde a guerra em 2006, o Hezbollah foi muito fortalecido por seu patrono, o Irã. O fortalecimento do Hezbollah é caracterizado de três maneiras: o primeiro, o número de agentes (o Hezbollah dobrou e até triplicou suas forças). A segunda é a quantidade de armas que tem, especialmente o aumento da quantidade e qualidade dos foguetes e mísseis que tem, o projeto de precisão dos mísseis, que serve como uma ameaça estratégica para Israel, sendo a conquista mais notável neste aspecto. Acredita-se que o Hezbollah tenha dezenas de mísseis cuja precisão foi reforçada com este projeto. Além disso, o Hezbollah aprimora suas capacidades anti-tanque, defesa aérea e da frota de aeronaves não tripuladas. O terceiro é o fortalecimento de suas capacidades militares, especialmente suas capacidades em inteligência, guerra psicológica e batalha com a cooperação de diferentes unidades.

R7 - Os últimos combates deste mês entre Israel e o Hezbollah podem se estender a um conflito maior ou provavelmente estão em ataques curtos e tensão permanente?

TB e AA - A situação na fronteira norte de Israel nunca pode ser totalmente prevista. No último incidente, o Hezbollah sentiu-se obrigado a responder à morte de um de seus agentes na Síria. O próprio Nasrallah afirmou no passado que o assassinato de qualquer um de seus agentes será respondido "apropriadamente". Além disso, os partidários do Hezbollah  nas redes sociais exigiram uma resposta postando fotos dos agentes, apesar do fato de ele ser apenas um júnior. No entanto, devido à crise política e econômica no Líbano, estima-se que o Hezbollah não estava procurando um confronto prolongado que pudesse arrastar ambos os lados para a guerra. Assim, tentou uma resposta "proporcional" para salvar o rosto na frente de seus próprios apoiadores. Ao mesmo tempo, Israel também não está interessado em um confronto prolongado, mas determinado a manter sua dissuasão contra a organização terrorista como foi o caso no último incidente.

R7 - O Hezbollah é mais libanês ou iraniano? Qual é a conexão entre esses dois lados do Hezbollah?

TB e AA - O Hezbollah é uma organização terrorista libanesa e composta por libaneses, principalmente do sul libanês, onde os xiitas são maioria. No entanto, o chefe/patrono do Hezbollah continua sendo o Irã. O Hezbollah recebe seu apoio financeiro, estratégico e ordens diretamente do Irã. A conexão entre o Hezbollah ser libanês e seguir o regime iraniano é sua religião xiita e ideologia radical, e o cerne dessa ideologia é do regime iraniano.

R7 - Como Israel pode se proteger da aliança formada entre a China e o Irã, com os investimentos chineses no Irã e a possibilidade de a China apoiar o plano de expansão nuclear do Irã?

TB e AA - Israel não pode ditar ou forçar a China a agir de uma forma ou de outra. A China é um país soberano e eventualmente agirá como achar melhor. No entanto, Israel mantém um bom relacionamento com a China, e fará questão de lembrar o governo chinês das preocupações de segurança e das linhas vermelhas de Israel.

R7 -  Como uma aliança entre o Irã e a China pode ajudar o Hezbollah?

TB e AA - O Hezbollah sofreu muito com a crise econômica iraniana. A retirada americana do JCPA (acordo nuclear) e a restauração das sanções econômicas prejudicaram a economia iraniana e, assim, afetaram o apoio econômico que oferece ao Hezbollah anualmente. A entrada da China no Irã pode ajudar a economia iraniana e evitar sanções. Portanto, isso também pode, em troca, permitir que o Irã aumente seu apoio ao Hezbollah também.

Veja também: Protestos crescem no Iraque após morte de manifestantes

R7 - Qual é o objetivo do Centro de Pesquisa e Educação Alma e como a instituição se relaciona com o governo de Israel e de outros países?

TB e AA - O Alma Research and Education Center é um centro independente, não partidário,  não apoiado por nenhum governo ou partido político. A missão de Alma é pesquisar e fornecer conhecimento geopolítico aprofundado sobre os desafios de segurança contínuos de Israel ao longo de suas fronteiras do norte, e as complexidades no Oriente Médio acessíveis aos líderes de opinião falantes de inglês em todo o mundo, que podem aumentar a conscientização em suas respectivas arenas políticas e midiáticas.
 

Últimas