Israel registra novo recorde diário de casos de covid-19

Instabilidade política se agrava, com acusações da oposição de ingerência e priorização de interesses políticos por parte do premiê Benjamin Netanyahu

 40 cidades estão em toque de recolher noturno para tentar conter a segunda onda

40 cidades estão em toque de recolher noturno para tentar conter a segunda onda

Abir Sultan - EFE/EPA 09.09.2020

Israel ultrapassou, nesta quarta-feira (9), a marca de 3,5 mil infecções diárias do novo coronavírus, com outro registro consecutivo de infecções e desde ontem, 40 cidades estão em toque de recolher noturno para tentar conter a segunda onda.

Além disso, desde o início do ano letivo, no dia 1º deste mês, 1.368 centros educacionais - 347 escolas - tiveram de fechar devido a mais de 1,8 mil positivos entre funcionários e alunos.

O Ministério da Saúde notificou 3.506 casos na terça, 81 a mais que no dia anterior, e acrescentou que ontem também ocorreu um dos maiores números de exames até agora: 44.546.

Toque de recolher

O toque de recolher noturno começou ontem à noite, entre 19h e 5h (hora local), em 40 cidades e bairros de todo o país com o maior índice de infecções, principalmente árabes e na parte norte de Israel.

A gestão da pandemia gerou uma troca de acusações entre o governo e a oposição, que acusa o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, de priorizar seus interesses políticos em detrimento do bem-estar da população.

Até o momento, 1.048 pessoas morreram por Covid-19 em Israel, enquanto dos quase 140 mil casos, mais de 30 mil ainda estão ativas.

Existem 472 pacientes em estado grave, 169 deles necessitam de respiradores.