Itália declara quarentena em todo o país por epidemia de coronavírus

O primeiro-ministro Giuseppe Conte decretou o país inteiro como 'zona vermelha' para o covid-19; já são mais de 460 mortes e mais de 9 mil casos

Itália em quarentena por coronavírus

Toda a Itália é declarada 'zona vermelha' para coronavírus

Toda a Itália é declarada 'zona vermelha' para coronavírus

EFE/EPA/ALESSANDRO DI MEO

O primeiro-ministro Giuseppe Conte anunciou nesta segunda-feira (9) que toda a Itália é considerada "zona vermelha" para o coronavírus e que o país inteiro deve respeitar medidas rigorosas de restrição de circulação. Na prática, toda a população italiana estará de quarentena a partir de terça.

Viagens estão proibidas, a não ser que sejam estritamente necessárias e quem precisar viajar precisará apresentar uma justificativa por escrito. Qualquer tipo de reunião pública também está proibida, o que inclui os eventos esportivos. Escolas e universidades serão fechadas até pelo menos 3 de abril.

"Os números nos dizem que estamos tendo um crescimento importante nas pessoas em terapia intensiva e, infelizmente, no número de falecidos", declarou Conte. "Nossos hábitos devem ser mudados agora: todos devemos abrir mão de algo para o bem da Itália."

Medidas extremas

A medida afeta cerca de 60 milhões de pessoas. A "zona vermelha" passa a valer amanhã, após publicação no Diário Oficial.

A Itália confirmou 463 mortes por covid-19 até esta segunda-feira. São 9.172 casos confirmados, sendo que mais de 700 estão na terapia intensiva.

Lanchonetes e restaurantes serão obrigados a fechar depois das 18h. Todos os bares, casas noturnas, casas de jogos e bingos permanecerão fechados, assim como museus, teatros e cinemas. Eventos como casamentos, velórios e missas estão proibidos.