Itália recebe apoio da China para combater o coronavírus

País é o mais afetado pela doença e recebeu avião carregado com 30 toneladas de suprimentos médicos e uma equipe de nove especialistas

Itália recebe ajuda da China em luta contra coronavírus

Itália recebe ajuda da China em luta contra coronavírus

EFE/EPA/FABIO FRUSTACI

A Itália recebeu da China um avião carregado com 30 toneladas de suprimentos médicos e uma equipe de nove especialistas que ajudarão a combater o novo coronavírus, que já infectou 15.113 pessoas e matou 1.016 no país.

Um Airbus A-305 da China Eastern Airlines partiu de Xangai e chegou na noite de quinta-feira (12) ao Aeroporto Internacional de Roma, carregado de ajuda e foi recebido pelo embaixador chinês em Roma, Li Junhua.

No interior da aeronave havia 30 toneladas de material médico, incluindo respiradores mecânicos, ventiladores, eletrocardiogramas, dezenas de milhares de máscaras que serão distribuídas entre o governo italiano e os voluntários que ajudarão no combate à crise, informou a Cruz Vermelha italiana.

Além disso, nove especialistas, seis homens e três mulheres, liderados pelo vice-presidente da Cruz Vermelha chinesa, Yang Huichuan, e pelo professor de reanimação cardiopulmonar, Liang Zongan, chegaram ao país, o principal foco europeu da pandemia.

Os especialistas incluíram resgatadores, pediatras e enfermeiros que gerenciaram a emergência na China.

O ministro das Relações Exteriores italiano, Luigi Di Maio, usou suas redes sociais para agradecer a China.

"Isso é o que chamamos de solidariedade e tenho certeza que virão mais. Não estamos sozinhos. Existem pessoas no mundo que querem ajudar a Itália", disse o chanceler, adiantando a vontade de outros países, que ele não citou, em contribuir para aliviar a emergência.

Apesar das dúvidas da União Europeia, a Itália aderiu à Nova Rota da Seda em março de 2019, um projeto lançado pela China em 2013 para conectar-se às economias ocidentais da Europa, Oriente Médio e África.