Novo Coronavírus

Internacional Itália reduz novos casos de covid-19 a níveis de março e pensa no verão

Itália reduz novos casos de covid-19 a níveis de março e pensa no verão

País teve 165 novas mortes e mais 802 casos de infecção nas últimas 24 horas, números mais baixos dos últimos dois meses e planeja flexibilização

Itália registra números mais baixos dos últimos dois meses

Itália registra números mais baixos dos últimos dois meses

CESARE ABBATE/EFE - 10.05.2020

A Itália registrou 165 novas mortes e mais 802 casos de infecção por coronavírus nas últimas 24 horas, os números mais baixos dos últimos dois meses, e já está pensando em como será o verão, de junho a setembro, quando os italianos poderão ir às praias e às montanhas, embora com certas precauções.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

De acordo com os últimos dados da Defesa Civil, a Itália registrou 219.070 casos totais de infecção pelo vírus SARS-CoV-2 e 30.560 mortes desde o início da emergência sanitária, em 21 de fevereiro.

Nas últimas 24 horas, 2.155 pessoas foram curadas, e o número de pacientes hospitalizados e os internados em unidades de terapia intensiva continua caindo, o que permite programar os próximos meses.

Leia também: Itália perde 81 milhões de turistas em meio à pandemia do coronavírus

"Neste verão, não ficaremos nas varandas, e a beleza da Itália não ficará em quarentena. Poderemos ir para o mar, para as montanhas e curtir nossas cidades", disse o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, em entrevista publicada pelo jornal "Corriere della Sera".

Conte acrescentou que espera encontrar mais dados para observar como a curva de contágio evolui antes de conceder indicações claras sobre como as férias de verão serão desenvolvidas no país neste ano.

Veja também: Saída de chefes da máfia faz Itália restringir libertação de presos

Ele também considerou que seria bom para os italianos passar férias na Itália, mesmo que sejam necessárias regras e precauções. Isso, segundo ele, ajudaria o setor turístico, que representa 13% do produto interno bruto e está sendo duramente atingido pela pandemia.

Últimas