Itália suspende produção, com exceção das atividades essenciais

Primeiro-ministro classificou ação como "difícil, mas necessária" na "fase mais aguda" da pandemia, no país que tem maior número de mortes por covid-19

Pessoas fazem fila em farmácia em Roma, após decreto de quarentena total

Pessoas fazem fila em farmácia em Roma, após decreto de quarentena total

Emily Roe / Reuters - 10.3.2020

O governo da Itália decidiu neste sábado (21) interromper temporariamente todas as atividades produtivas no país, exceto aquelas que são essenciais para que os cidadãos tentem conter a propagação do novo coronavírus.

O primeiro-ministro Giuseppe Conte fez o anúncio em entrevista coletiva. Ele classificou a ação como "difícil, mas necessária" para "enfrentar a fase mais aguda" da pandemia.

Leia mais: China volta a ter transmissão local entre 46 novos casos de covid-19

A Itália é o país com o maior número de mortes pela Covid-19. Segundo um boletim divulgado pelo governo, 4,8 mil pessoas morreram em decorrência da doença transmitida pelo novo coronavírus. "(Serão fechadas) em todo o território nacional todas as atividades de produção não essenciais", disse Conte.

Segundo a medida, supermercados e outras lojas de venda de alimentos, farmácias, serviços bancários e postais, seguradoras e transporte público continuarão a funcionar.

Veja também: Governo orienta brasileiros a voltarem do México imediatamente

A decisão foi anunciada depois que a Defesa Civil informou que a Itália já contabiliza 4.825 mortes por coronavírus, sendo 793 em 24 horas. O número total de pessoas infectadas, incluindo as que já se curaram e as que morreram, chegou a 53.578.

Conte destacou que todas as empresas devem incentivar o teletrabalho e que somente os funcionários que realizam atividades "relevantes para a produção nacional" nas fábricas de todo o país continuarão a trabalhar. "Diminuímos o ritmo do motor da Itália, mas não o paramos", disse o político.

O primeiro-ministro também falou sobre a polêmica gerada no país depois que algumas regiões, como a do Vêneto, decidiram fechar supermercados aos domingos e feriados para evitar grandes concentrações de pessoas.

Leia ainda: Toque de recolher e menos orações: efeitos da covid-19 no Oriente Médio

Alguns no país são contra essa proposta, como o ex-primeiro ministro e líder do partido Itália Viva, Matteo Renzi, que alegou que se trata de "um erro, pois criaria longas filas e aumentaria o risco de contágio".

Por sua vez, Conte tentou incentivar os italianos a respeitarem "as regras com paciência, responsabilidade e confiança" para que o número de casos da doença diminua e reconheceu que "ficar em casa não é fácil", mas que é a única solução para proteger a vida de todas as pessoas.

"Nosso sacrifício de ficar em casa é mínimo em comparação com o de outros cidadãos, trabalhadores de hospitais, policiais, empregados de supermercados e funcionários de serviços públicos. Homens e mulheres que não só vão trabalhar, mas que fazem um ato de grande responsabilidade para com a nação todos os dias", concluiu.