Novo Coronavírus

Internacional Itália tem protestos antes do toque de recolher em várias cidades

Itália tem protestos antes do toque de recolher em várias cidades

Em Turim e Milão, grupos enfrentaram a polícia, quebraram e saquearam lojas. Autoridades acusam ultra e extrema direita pelos atos de vandalismo

Protestos contra fechamento do comércio terminou em violência

Protestos contra fechamento do comércio terminou em violência

Massimo Pinca/Reuters - 26.10.2020

Cenas de guerrilha urbana foram vividas ontem à noite em várias cidades italianas, como Milão e Turim, durante protestos contra o fechamento, às 18 horas da segunda-feira (26), de algumas atividades e de bares e restaurantes, decretado pelo governo para frear as infecções por coronavírus.

Os distúrbios terminaram com 28 pessoas presas em Milão, onde grupos de manifestantes atiraram pedras, foguetes e sinalizadores contra a polícia e também na sede do governo na região da Lombardia.

A mesma situação ocorreu em Turim, onde homens encapuzados enfrentaram a polícia e destruíram algumas vitrines e saquearam as instalações. As altercações terminaram com cerca de uma dúzia de detidos, segundo a mídia.

Durante esta terça-feira (27), as manifestações continuarão em cidades como Nápoles e Roma pelos proprietários das atividades que foram afetadas pelos fechamentos.

O Ministério do Interior manifestou a sua preocupação com as tensões destes dias, mas garantiu que os protestos registados de norte a sul do país nada têm a ver com os setores mais afetados pela crise nos últimos meses, "mas com aqueles que tinham o propósito específico de provocar motins: ultras, extremistas de direita”.

O decreto do governo que entrou em vigor no começo desta semana para conter os contágios que chegam a 20 mil por dia prevê que restaurantes, bares, “pubs”, sorveterias e confeitarias possam permanecer abertos apenas das 5h às 18h.

Também foram decretados o fechamento de academias, piscinas e spas, bem como centros culturais, centros sociais, centros recreativos e casas de bingo, teatros, cinemas e salas de concerto.

Últimas