Itália vai repatriar seus cidadãos que estão em Wuhan

Avião chegará na quinta-feira (30) na cidade chinesa, que é epicentro do coronavírus em que 60 italianos vivem, e terá equipe médica a bordo

Itália vai repatriar cidadãos que vivem em Wuhan

Itália vai repatriar cidadãos que vivem em Wuhan

CADU ROLIM/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

A Itália enviará na quinta-feira (30) um avião para repatriar seus cidadãos que vivem na cidade de Wuhan, na China, onde teve início o surto do novo coronavírus, uma vez que tenha todas as autorizações do lado chinês, disse o Ministério das Relações Exteriores italiano.

O voo, operado pelo Comando Operacional da Força Conjunta, chegará diretamente ao aeroporto de Wuhan com médicos especializados a bordo.

E uma vez na Itália, eles devem seguir um protocolo de saúde definido pelo Ministério da Saúde, de acordo com as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ontem, o chefe da unidade chinesa de crise de coronavírus criada pela Chancelaria italiana, Stefano Verrecchia, disse que o repatriamento voluntário dos italianos em Wuhan seria organizado "o mais rápido possível", mas que "existem procedimentos que devem ser implementados e não dependem totalmente de nós, mas estamos fazendo todo o possível para (realizá-los) o mais rápido possível".

Apenas uma parte dos 60 italianos que residem em Wuhan quer ser repatriada.

Por outro lado, o grupo de trabalho do coronavírus do Ministério da Saúde se reuniu hoje para examinar as diretrizes publicadas ontem à tarde pela OMS.