Internacional Joe Biden e Vladimir Putin se reunirão na Suíça em 16 de junho

Joe Biden e Vladimir Putin se reunirão na Suíça em 16 de junho

A última vez que o presidente dos EUA e da Rússia se encontraram foi em julho de 2018, ainda no governo de Donald Trump

  • Internacional | Da EFE

Presidente dos EUA e da Rússia se reúnem na Suíça em 16 de junho

Presidente dos EUA e da Rússia se reúnem na Suíça em 16 de junho

AFP

Os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir Putin, se reunirão no próximo dia 16 de junho na cidade suíça de Genebra, segundo anunciou nesta terça-feira (25) a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.

Segundo Psaki explicou em comunicado, os dois governantes discutirão todas as questões "urgentes" sobre a mesa enquanto buscam "restaurar a previsibilidade e a estabilidade" da relação entre os dois países.

A reunião de Genebra será a primeira de alto nível entre líderes dos dois países desde que Putin e o ex-presidente dos EUA, Donald Trump (2017-2021), se encontraram em Helsinque, em julho de 2018.

O anúncio da Casa Branca confirma esta reunião há muito esperada e que ambos os governos têm preparado nos últimos dias.

Ainda ontem, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, e seu homólogo russo, Nikolai Patrushev, reuniram-se justamente em Genebra e concordaram, como relatado pelos dois governos em declarações separadas, que a "normalização" das relações irá beneficiar tanto os países como a comunidade internacional.

Os dois lados expressaram então sua confiança na possibilidade de encontrar "soluções mutuamente aceitáveis" em várias áreas.

No último mês de abril, durante uma conversa por telefone, Biden havia proposto a Putin para que se encontrassem em um país terceiro em um futuro próximo, ao que o Kremlin respondeu positivamente.

Na semana passada, os responsáveis pelas Relações Exteriores de ambas as nações, Antony Blinken e Sergey Lavrov, reuniram-se em Reykjavik, na Islândia, para aproximar posições e preparar a cúpula entre os presidentes. 

JR Mundo: Professor da USP analisa a manutenção do poder concentrado de Vladimir Putin

Últimas