China

Internacional Joe Biden se diz preocupado com mísseis hipersônicos da China

Joe Biden se diz preocupado com mísseis hipersônicos da China

Novo armamento chinês teria capacidade de viajar a mais de 6.000 km/h, cerca de cinco vezes mais rápido que a velocidade do som

Reuters - Internacional
Presidente Joe Biden falou com a imprensa antes de viagem ao estado da Pensilvânia

Presidente Joe Biden falou com a imprensa antes de viagem ao estado da Pensilvânia

Jonathan Ernst/Reuters - 20.10.2021

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta quarta-feira (20) que está preocupado com os mísseis hipersônicos chineses, dias depois da divulgação, em uma reportagem, de que Pequim havia testado uma arma hipersônica com capacidade nuclear.

Enquanto embarcava no Air Force One para uma viagem ao estado da Pensilvânia, Biden foi questionado por repórteres se estava preocupado com os mísseis hipersônicos chineses e respondeu: "Sim".

As armas hipersônicas viajam na atmosfera com velocidade mais de cinco vezes superior à do som, ou cerca de 6.200 quilômetros por hora.

O jornal Financial Times informou no fim de semana que, em agosto, a China testou uma arma que voou pelo espaço e circulou o globo antes de se dirigir a um alvo, que errou. O Ministério das Relações Exteriores da China negou a informação.

O teste ocorreu enquanto os Estados Unidos e seus rivais globais aceleram o ritmo para construir armas hipersônicas — a próxima geração de armas que roubam dos adversários o tempo de reação e os mecanismos tradicionais de derrota.

"As armas hipersônicas são uma virada de jogo estratégica com o potencial perigoso de minar fundamentalmente a estabilidade estratégica como a conhecemos", disse o senador Angus King, do Maine, na segunda-feira (18), acrescentando que "os EUA não podem retardar este desenvolvimento ou permitir pontos cegos enquanto monitoramos o progresso de nossos concorrentes".

A Casa Branca levantou preocupações sobre a tecnologia de mísseis hipersônicos chineses por meio de "canais diplomáticos", disse a porta-voz Jen Psaki a repórteres nesta quarta-feira.

Últimas