Johnson quer acordo similar ao do Canadá, sem submissão à UE

O premiê disse que não é uma escolha entre  acordo ou não acordoa, mas entre uma relação comercial com a UE comparável à do Canadá

Acordo Reino Unido

Johnson definiu a sua posição de negociação depois que o país deixou formalmente a UE

Johnson definiu a sua posição de negociação depois que o país deixou formalmente a UE

Toby Melville/Reuters

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, revelou nesta segunda-feira (3) cartas trocadas durante as negociações com a União Europeia (UE), ao pedir um acordo comercial semelhante ao CETA (entre Canadá e UE), sem a obrigação de cumprir regras e padrões do mercado único do bloco europeu.

Em discurso para empresários e embaixadores em Londres, o político conservador advertiu que se não conseguir esse acordo, o comércio bilateral será baseado no acordo de saída assinado em 2019 e terá amparo da Organização Mundial do Comércio (OMC).

O chefe do governo britânico definiu a sua posição de negociação depois que o país deixou formalmente a UE em 31 de janeiro, após 47 anos de adesão, o que abre um período de negociação até 31 de dezembro no que diz respeito à nova relação comercial.

"Muitas vezes nos disseram que temos de escolher entre o acesso total ao mercado da UE, aceitando as suas regras e cortes no modelo da Noruega, ou um ambicioso acordo de livre-comércio, que abre mercados e evita todos os regulamentos da UE, seguindo o exemplo do Canadá", disse Johnson.

"Decidimos: queremos um acordo de livre-comércio semelhante ao do Canadá, mas, no caso improvável de não termos sucesso, então o nosso comércio terá de se basear no atual acordo de saída da UE", argumentou.

Johnson disse que esta não é uma escolha entre "um acordo ou um não acordo" ao término do período de transição, como afirma a oposição, mas entre uma relação comercial com a UE comparável à do Canadá"ou mais parecida com a da Austrália".

Em Bruxelas, o negociador da UE Michel Barnier, ofereceu ao Reino Unido a negociação de um pacto "altamente ambicioso" sem tarifas ou cotas para as mercadorias que entram no mercado único, desde que a concorrência seja "aberta e justa" e que seja incluído um acordo de pesca.

Sobre a questão da pesca, Johnson disse que serão necessárias "negociações anuais" sobre cotas, pois a prioridade é garantir o acesso dos pescadores britânicos às águas destas ilhas.

A respeito das regras de concorrência, disse que o Reino Unido não pretende "minar os padrões da UE" ou ser um feroz concorrente do bloco, mas observou que "manterá seus altos padrões" nessas áreas sem "uma obrigação de tratado".

O Acordo Econômico e Comercial Global (CETA, na sigla em inglês) de 2016 permite o comércio da maioria dos bens sem tarifas, mas apenas cobre os serviços, que são o motor da economia britânica, e mantém os controles da alfândega e do imposto sobre valor agregado (IVA).

Devido à proximidade física, a UE teme que o Reino Unido se torne um concorrente se não concordar em cumprir as suas normas ambientais, alimentares e trabalhistas.

Quanto à segurança, Johnson, que governa com maioria absoluta no Reino Unido, disse que buscará "um acordo pragmático" que proteja os cidadãos "sem transgredir a autonomia dos respectivos sistemas legais".

O premiê disse que, enquanto negocia com os 27 Estados-membros do bloco sobre as futuras relações comerciais, o governo britânico iniciará conversas com Estados Unidos, Japão, Austrália, Canadá, Nova Zelândia e a Commonwealth.