Juiz é assassinado durante protesto violento na Venezuela

Nelson Moncada Gómez é a 61ª morte em cerca de 2 meses

Juiz foi morto ao ser interceptado por "um grupo de várias pessoas"

Juiz foi morto ao ser interceptado por "um grupo de várias pessoas"

Reuters

As autoridades da Venezuela iniciaram nesta quinta-feira, dia 1, as investigações sobre o assassinato do juiz Nelson Moncada Gómez, de 37 anos, que aconteceu na noite da última quarta-feira (31) na periferia de El Paraíso, a oeste da capital Caracas, durante um protesto contra o presidente Nicolás Maduro.

"O Ministério Público nomeou a diretora de Delitos Comuns, Marisela Lucena, e a fiscal do 36º nacional, Lucila Hurtado, para investigar a morte do juiz do 48º Controle da Área Metropolitana de Caracas, Nelson Moncada Gómez", comunicou o organismo em uma nota oficial.

Democracia na Venezuela tem que sair do discurso, diz especialista

De acordo com o comunicado, o juiz foi assassinado ao ser interceptado por "um grupo de várias pessoas" que havia realizado uma barricada em mais um protesto contra o mandatário venezuelano perto da sua residência de Gómez. Ele acabou sendo alvo de vários disparos de armas de fogo.

"Moncada Gómez tentou fugir, por isso dispararam nele e tiraram todos os seus pertences", afirmou a nota, que também disse que a polícia investigará a morte para "determinar as responsabilidades penais correspondentes".

O assassinato do juiz eleva para 61 o número de vítimas fatais registrado na onda de protestos, manifestações e atos violentos que já deixou mais de 13 mil feridos e quase 3 mil detidos em cerca de dois meses.

Assista 24 horas à programação da Record TV