Internacional Juíza dos EUA suspende bloqueio do aplicativo do WeChat

Juíza dos EUA suspende bloqueio do aplicativo do WeChat

Departamento de Justiça diz que vai recorrer de decisão que impede governo de banir aplicativo chinês de mensagens das lojas da Apple e do Google

Reuters - Internacional
Aplicativo é alvo do governo dos Estados Unidos

Aplicativo é alvo do governo dos Estados Unidos

Florence Lo/Reuters

O Departamento de Justiça dos EUA disse nesta sexta-feira (2) que apelará da decisão de uma juíza que suspendeu decisão do governo de impedir Apple e Google de oferecer o aplicativo de mensagens WeChat em suas lojas virtuais.

A liminar bloqueou o pedido do Departamento de Comércio dos EUA, o que também impediria outras transações dos EUA com o WeChat, da Tencent, potencialmente tornando o aplicativo inutilizável nos Estados Unidos.

Um porta-voz da Tencent nos EUA não comentou imediatamente.

O Departamento de Justiça disse antes que a decisão da juíza Laurel Beeler permite o uso contínuo e irrestrito do WeChat, um aplicativo que o entendeu como uma ameaça à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos".

Beeler disse que os usuários do WeChat que entraram com uma ação judicial "mostraram sérias dúvidas quanto ao mérito da reivindicação da Primeira Emenda". A Primeira Emenda da Constituição dos EUA garante a liberdade de expressão.

O WeChat teve uma média de 19 milhões de usuários ativos diários nos Estados Unidos, disse a empresa de análise Apptopia no início de agosto. É popular entre estudantes chineses, americanos que vivem na China e alguns americanos que têm relacionamentos pessoais ou de negócios na China.

O WeChat é um aplicativo móvel que combina serviços semelhantes ao Facebook, WhatsApp, Instagram e Venmo. O aplicativo é uma parte essencial da vida diária para muitos na China e possui mais de 1 bilhão de usuários.

Últimas