Eleições EUA 2020

Internacional Justiça manda Pensilvânia separar votos que chegaram após eleição

Justiça manda Pensilvânia separar votos que chegaram após eleição

Suprema corte americana acolheu pedido da campanha de Trump, que pretende anular parte dos votos enviados pelo correio

  • Internacional | Do R7, com EFE

Resultado da Pensilvânia pode ser decisivo

Resultado da Pensilvânia pode ser decisivo

Erik S. Lesser/EFE - 05.11.2020

A suprema corte dos Estados Unidos aceitou nesta sexta-feira (6) uma ação movida pelo Republicanos, partido do presidente Donald Trump, e ordenou que o estado da Pensilvânia separe os votos que chegaram após 3 de novembro, dia de encerramento das urnas na eleição americana.

Leia também: Serviço Secreto reforça segurança de Joe Biden em reta final

O presidente Trump acredita na justiça como alternativa possível para permanecer no poder. Ele afirmou, na noite de quinta, que o processo eleitoral foi fraudado e não apresentou provas, mas o Partido Republicano contesta e tenta parar a apuração em vários Estados. Joe Biden conquistou a vantagem na Pensilvânia e na Geórgia, dois estados relevantes para definir quem vai à Casa Branca

De acordo com a decisão do juiz conservador Samuel Alito, a Pensilvânia deve separar todos os votos recebidos pelo correio após às 20h do dia e 3 de novembro (no encerramento das urnas). Eles podem ser contados, mas de forma separada.

Alito destacou que a secretária de Estado da Pensilvânia – a mais alta autoridade eleitoral –  Kathy Boockvar (democrata), "não conseguiu verificar se todas as juntas eleitorais (dos condados) estão cumprindo a ordem do secretário" de separar os votos.

A ordem do Tribunal Superior atende a uma ação movida pelo Partido Republicano, que tem o objetivo de declará-los inválidos, um processo que corre em outra ação paralela.

Leia também: Manifestantes se concentram em centro de apuração na Filadélfia

Como já defendeu o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, os conservadores da Pensilvânia consideram que os votos pelo correio recebidos após o dia das eleições devem ser considerados nulos, embora o carimbo do correio reflita que foram recebidos dentro do prazo.

O Supremo Tribunal da Pensilvânia havia prorrogado o prazo para recebimento das cédulas expedidas pelo correio até a tarde desta sexta-feira, devido aos atrasos sofridos pelos Correios em razão da grande demanda por esse tipo de voto devido ao coronavírus.

Mas os republicanos entraram com uma ação de anulação e por isso pediram ao Supremo Tribunal Federal que faça valer a separação dos votos até que o caso seja resolvido.

Entenda a recontagem de votos nos Estados com resultado apertado

Últimas