Coreia do Norte

Internacional Kim Jong-un: Arsenal nuclear vai evitar guerras com Coreia do Norte

Kim Jong-un: Arsenal nuclear vai evitar guerras com Coreia do Norte

Declarações em tom confiante foram feitas durante comemorações dos 67 anos do armistício que terminou com combates da Guerra da Coreia

  • Internacional | Do R7, com Reuters

Kim Jong-un discursa durante celebração dos 67 anos do 'fim' da Guerra da Coreia

Kim Jong-un discursa durante celebração dos 67 anos do 'fim' da Guerra da Coreia

KCNA via Reuters - 27.7.2020

As armas nucleares da Coreia do Norte vão evitar que qualquer país declare guerra contra o país, afirmou o líder supremo norte-coreano Kim Jong-un, segundo registros da mídia estatal nesta nesta terça-feira (28 de julho).

As declarações em tom confirante foram feitas durante as comemorações do 67º aniversário do armistício que terminou com os combates da Guerra da Coreia.

VEJA TAMBÉM: Coreia do Norte diz que 1º caso de covid-19 veio da Coreia do Sul

Oficialmente, o conflito com a Coreia do Sul ainda não terminou, embora embates não sejam registrados há décadas, apesar do sobe e desce de tensões entre os dois países.

Kim recebeu veteranos de guerra para marcar o que considera a "queda" do vizinho do sul, informou a televisão estatal norte-americana KRT.

Armas nucleares dão 'força absoluta' à Coreia do Norte

O país desenvolveu armas nucleares para obter "força absoluta" para evitar outro conflito armado, disse Kim em discurso divulgado pela mídia estatal, enfatizando a natureza defensiva dos programas.

O discurso ocorre ao mesmo tempo em que as negociações para uma desnuclearização da Coreia do Norte estejam paralisadas. As conversas, que envolvem especialmente os Estados Unidos, preveem o desmantelamento dos programas nucleares e de mísseis de Pyongyang em troca do alívio das sanções de Washington.

Kim e o presidente dos EUA, Donald Trump, se encontraram pela primeira vez em 2018 em Cingapura, aumentando as esperanças de um fim negociado das ameaças nucleares da Coréia do Norte. Mas sua segunda cúpula, em 2019 no Vietnã, e as reuniões subsequentes em nível de trabalho se desfez.

Últimas