Novo Coronavírus

Internacional Laboratórios entregavam resultados falsos de covid-19 em Bangladesh

Laboratórios entregavam resultados falsos de covid-19 em Bangladesh

Duas clínicas foram fechadas pela polícia em operação nesta quarta-feira; além de fornecer resultados falsos, eles destruíam as amostras dos pacientes

Número de casos em Bangladesh aumentou após o fim do isolamento

Número de casos em Bangladesh aumentou após o fim do isolamento

Mohammad Ponir Hossain / Reuters - 2.7.2020

Dois laboratórios de um hospital privado de Daca, em Bangladesh, foram fechados nesta quarta-feira (8), durante uma operação policial, sob a acusação de entrega de resultados falsos de testes de diagnósticos para o novo coronavírus e por cobrar a realização dos exames, que são gratuitos nos país.

Leia também: Roma tem 39 casos em surto ligado a voos procedentes de Bangladesh

A ação foi realizada por homens da polícia de elite do país no Hospital Regent, segundo confirmou à Agência Efe o subdiretor da unidade de segurança, Rakibul Hasan.

"Eles entregaram resultados para as pessoas sem analisar as amostras", explicou o representante da força policial.

Ontem, uma outra clínica laboratorial pertencente ao mesmo hospital, mas localizada na cidade de Uttara, foi fechado pelos mesmos motivos, segundo as autoridades locais.

Amostras destruídas

O juiz que ordenou a operação, Sarwoer Alam, relatou à imprensa que os representantes da unidade de saúde privada descartaram inúmeras amostras de pacientes, depois que entregaram os resultados falsos.

O presidente do Regent Group, que administra o hospital, Md Shahed, chegou a ser detido, junto com outros funcionários acusados de envolvimento com o caso.

"Isso tem muitas consequências. Quando um paciente positivo recebe um resultado negativo, se move e pode infectar centenas de milhares de pessoas", lamentou Alam.

Bangladesh tem tido um aumento recente no número de casos de infecção pelo novo coronavírus, que chegou a 172.134. Até o momento, 2.197 pessoas morreram por causa da Covid-19.

Depois de dois meses de confinamento, o governo do país iniciou, em 31 de maio, o relaxamento de medidas, o que vem provocado um aprofundamento da crise sanitária.

Últimas