Libanesa no Brasil fala da família em Beirute: 'Situação de terror'

Niaz Chokr, que tem parentes na capital do Líbano, ficou aliviada ao falar com seus parentes e saber que estão bem, apesar do trauma

Fumaça alaranjada assusta os moradores de Beirute, inclusive os parentes de Niaz

Fumaça alaranjada assusta os moradores de Beirute, inclusive os parentes de Niaz

Reuters - 04.08.2020

Niaz Chokr, uma filha de libaneses que mora no Brasil, está mais aliviada depois que conseguiu contato com sua família que vive em Beirute. Nesta terça-feira (4), uma série de explosões na região portuária da capital do Líbano, destruiu parte da cidade. Segundo seus familiares "a situação é de terror" na capital do país.

Segundo a TV Al Jazeera, o Ministro da Saúde do país confirmou a morte de 30 pessoas e pelo menos 3 mil feridos, mas ainda não dá para estimar o número exato de vítimas. 

Diversas equipes continuam trabalhando no atendimento às milhares de vítimas atingidas pela explosão, muitas delas feridas por destroços e pedaços de vidros. A os hospitais convocaram a população para doar sangue.

Niaz conta que sua família disse que a explosão foi tão forte, "que parecia a de uma bomba atômica", até mesmo pelo formato de um cogumelo. Apesar do trauma, ela conta que ninguém se feriu e que todos estão em casa.

Os familiares disseram a Niaz que autoridades estariam recomendando que as pessoas deixem a capital se for possível. "Estão pedindo para quem tiver parentes fora de Beiture deixar a capital porque o ar está tóxico", afirmou Niaz. 

Esta informação não foi confirmada pelos canais oficiais, mas várias imagens mostram nuvens alaranjadas sobre Beirute após a explosão. A cor da fumaça pode indicar que se trata de gases tóxicos liberados após a queima de nitrato, substância que é utilizada em explosivos.