Internacional Macron e Le Pen sofrem revés nas eleições regionais francesas

Macron e Le Pen sofrem revés nas eleições regionais francesas

Nenhuma das 13 regiões elegeu um candidato ligado ao atual presidente; extrema-direita não conquistou seu primeiro governo

AFP
Atual presidente da França, Emmanuel Macron, do partido República em Marcha

Atual presidente da França, Emmanuel Macron, do partido República em Marcha

Ludovic Marini / POOL / AFP


O partido de centro do presidente Emmanuel Macron sofreu um novo revés no segundo turno das regionais a dez meses das eleições presidenciais na França. Já a extrema direita de Marine Le Pen fracassou em sua tentativa de conquistar o primeiro governo local.

O jovem partido do presidente, República em Marcha (LREM), não conseguiu prevalecer em nenhuma das 13 regiões da França metropolitana, pagando o preço por sua falta de implantação territorial.

Segundo as consultas, o partido obteria apenas 7% dos votos, vendo-se relegado à quinta força política em nível nacional, atrás da direita, da esquerda, dos ecologistas e da ultradireita.

É uma "decepção para a maioria presidencial", admitiu Stanislas Guerini, líder do LREM.

A abstenção foi a grande protagonista destas eleições, com um máximo histórico de cerca de 66%, o mesmo nível do primeiro turno e muito superior às eleições regionais anteriores, em 2015. 

"O que estamos vendo é a culminação de uma desconexão entre os eleitores e a classe política", disse à AFP Jessica Sainty, professora de política da Universidade de Avignon, embora tenha admitido que a crise da covid-19 também influi na alta abstenção.

Novo fracasso da ultradireita


Os resultados também foram decepcionantes para o partido de Le Pen, Agrupamento Nacional (RN, na sigla em francês), que fracassou em sua tentativa de conquistar pela primeira vez um governo local.

"Esta noite, não ganharemos nenhuma região", admitiu Marine Le Pen, destacando que a França sofre uma "profunda crise da democracia local". "A mobilização é a chave para as vitórias futuras", disse, de olho nas presidenciais do ano que vem.

Seu candidato, Thierry Mariani, foi derrotado pelo rival conservador, Renaud Muselier, na região Provença-Alpes-Costa Azul (PACA, sudeste), a única onde o partido nacionalista podia aspirar a vencer.

Muselier foi favorecido pela saída do candidato de esquerda, um exemplo da "Frente Republicana", vista nas eleições presidenciais passadas para bloquear a ultradireita.

Ganhar o controle de uma região pela primeira vez em sua história teria sido um grande impulso para Le Pen, que tenta convencer os eleitores de que o RN é um partido capaz de governar.

Para alguns analistas, estes resultados trazem dúvidas sobre se as presidenciais de 2022 vão se reduzir a um duelo entre Macron e Le Pen no segundo turno, que há tempos é considerado o cenário mais provável.

Direita fortalecida

Os grandes vencedores destas eleições são o partido da direita tradicional, Os Republicanos, que se torna a primeira força política do país, com 38% dos votos, segundo as pesquisas.

Quatro anos depois de perderem as eleições presidenciais, os conservadores recuperam força e superam a união da esquerda e ecologista, que se posiciona em segundo lugar, com 34,5% dos votos. 

Vários matizes da direita aproveitarão o impulso que esta vitória lhes dará para se posicionarem na corrida das presidenciais.

"Agora todo mundo entendeu que as eleições presidenciais são um jogo com três lados", avaliou o conservador Xavier Bertrand, que obteve uma vitória confortável na região Altos da França (norte) e já anunciou sua candidatura para 2022.

O fracasso da maioria presidencial alimenta os rumores de uma remodelação do gabinete. Trinta e dois por cento dos franceses são favoráveis a uma mudança ministerial "nas próximas semanas", segundo uma consulta do instituto de pesquisas Ipsos.

Últimas