Maduro diz que aceita se reunir de forma 'respeitosa' com Trump 

O presidente da Venezuela disse que assim como se reuniu com Joe Biden, também poderia se sentar a conversar com o presidente dos EUA

Nicolas Maduro, presidente da Venezuela, e sua esposa, Cilia Flores

Nicolas Maduro, presidente da Venezuela, e sua esposa, Cilia Flores

Carlos Jasso / Reuters - 17.5.2018

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro afirmou que poderia se reunir com o presidente dos Estados Unidos Donald Trump de forma 'respeitosa'. A declaração foi feita à VTV (Venezuela Televisón) nesta segunda-feira (22). Mais cedo, Trump disse que estaria disposto a negociar uma saída pacífica de Maduro do poder.

Leia mais: Norte-americano diz que ataque visava levar Maduro aos EUA

"Assim como eu me reuni com Joe Biden, e conversamos largamente de maneira respeitosa, coisa que foi registrada na ocasião, também estou disposto a conversar respeitosamente com o presidente Donald Trump. Da mesma forma, como conversei com Biden, poderia conversar com Trump", disse Maduro.

Nesta segunda-feira (22), Trump reagiu a uma entrevista entrevista publicada no domingo pelo jornal digital "Axios", na qual afirmou estar aberto ao encontro com Maduro, uma possibilidade também considerada por ele durante a Assembleia-Geral da ONU em 2018, mas que não ocorreu.

"Ao contrário da esquerda radical, sempre estarei contra o socialismo e com o povo da Venezuela. Meu governo sempre esteve do lado da liberdade e contra o regime opressivo de Maduro! Eu só me encontraria com Maduro para abordar um tópico: uma saída pacífica do poder!", escreveu Trump no Twitter.

Ainda na entrevista de Trump publicada no domingo, ele lamentou sua decisão de apoiar o líder da oposição Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, e acrescentou: "Ele poderia ter vivido com ou sem ela, mas estava firmemente contra o que está acontecendo na Venezuela ".

"Guaidó foi escolhido. Acho que ele não era necessariamente a favor: algumas pessoas gostavam dele, outras pessoas não. Tudo bem comigo. Não acho que tenha sido muito significativo", acrescentou Trump.