Crise na Venezuela
Internacional Maduro diz que instalará sistema de mísseis na fronteira com a Colômbia

Maduro diz que instalará sistema de mísseis na fronteira com a Colômbia

Presidente da Venezuela anunciou que irá instalar diversos sistemas de defesa na fronteira com a Colômbia, após decretar estado de alerta na região

Maduro diz que instalará sistema de mísseis na fronteira com a Colômbia

Maduro fez anúncio nesta quarta-feira (4)

Maduro fez anúncio nesta quarta-feira (4)

Palacio de Miraflores via EFE / 4.9.2019

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta quarta-feira (4) que instalará um sistema de defesa antiaérea na fronteira com a Colômbia por considerar que o governo do país vizinho pretende iniciar um conflito armado na região.

"Agora vamos instalar o sistema de mísseis de defesa antiaérea, de defesa terrestre, blindada. Vamos instalá-lo entre 10 e 28 de setembro", afirmou Maduro em pronunciamento, citando o período em que as Forças Armadas do país realizarão exercícios militares na fronteira.

Leia também: Guaidó anuncia 'centro de governo' da oposição na Venezuela

No discurso, Maduro ainda lembrou que ontem decretou alerta laranja para as unidades militares nos estados de Zulia, Táchira, Amazonas e Apure, todos na fronteira com a Colômbia.

Sem apresentar qualquer tipo de evidência, o líder chavista afirmou que o presidente da Colômbia, Iván Duque, tem um plano para iniciar um confronto entre os dois países. A estratégia, segundo Maduro, é provocar um "falso positivo em setembro".

"Ele pretende montar um falso positivo, agredir o território venezuelano para ir ao Conselho de Segurança das Nações Unidas para armar um show político barato às custas de um conflito armado", disse o líder chavista.

Para Maduro, Duque levou a Colômbia de volta a uma "situação de guerra" devido ao rearmamento de dissidentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). O governo colombiano acusa a Venezuela de dar abrigo aos guerrilheiros.

"A violência da Colômbia que fique na Colômbia, não a queremos aqui", afirmou Maduro.