Novo Coronavírus

Internacional Maduro e esposa tomam 1ª dose de vacina contra covid-19

Maduro e esposa tomam 1ª dose de vacina contra covid-19

Chefe de Estado foi vacinado depois que, segundo ele, 60% dos funcionários da área da saúde no país foram imunizados

  • Internacional | Da EFE

Maduro anunciou chegada de mais vacinas contra covid-19 na próxima semana

Maduro anunciou chegada de mais vacinas contra covid-19 na próxima semana

EFE/EPA/Miraflores Press

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e a esposa, a deputada Cilia Flores, receberam neste sábado (6) a primeira dose da vacina russa Sputnik V contra a covid-19.

"Minha primeira dose. Estou vacinado", declarou Maduro em um vídeo transmitido pelo canal estatal Telesur, que transmitiu o momento da vacinação do presidente e de sua esposa.

O chefe de Estado foi vacinado depois que, segundo ele, 60% dos funcionários da área da saúde foram imunizados com o fármaco russo, que chegou ao país em 13 de fevereiro.

Ele manifestou a sua confiança no imunizante e reiterou que na próxima segunda-feira as 500 mil vacinas da chinesa Sinopharm começarão a ser aplicadas e que serão dadas, ao contrário da Sputnik V, em uma única dose.

De acordo com Maduro, entre os setores prioritários a serem vacinados estão os trabalhadores da saúde, autoridades governamentais, deputados, forças de segurança e pessoas vulneráveis ou com condições de morbidade.

Até o momento, seu governo só informou sobre um acordo para 10 milhões de vacinas com a Rússia e, até o momento, 100 mil frascos chegaram ao país.

Já sobre o acerto com a Sinopharm nenhum detalhe foi divulgado, e o que se sabe até agora é que a Venezuela tem 500 mil doses do imunizante do laboratório chinês.

Maduro espera que a vacinação em massa da população comece em abril, embora nesta sexta-feira tenha denunciado que dez países, sem revelar quais, estão acumulando as vacinas e que também há problemas na produção.

A Venezuela tem oficialmente um total de 141.356 casos de coronavírus confirmados desde o início da pandemia há um ano, dos quais apenas 6.531 estão ativos. Foram 1.371 mortes por covid-19.

Últimas