Internacional Magnata pró-democracia é libertado sob fiança em Hong Kong

Magnata pró-democracia é libertado sob fiança em Hong Kong

Considerado um "traidor" pelo governo chinês e acusado de fomentar os protestos, Jimmy Lai deixou a delegacia na noite desta terça-feira (11)

  • Internacional | Da Ansa Brasil

Jimmy Lai (d) deixa a delegacia onde estava preso, após pagar fiança

Jimmy Lai (d) deixa a delegacia onde estava preso, após pagar fiança

Jerome Favre / EFE - EPA - 11.8.2020

O magnata da mídia Jimmy Lai, apoiador dos protestos pró-democracia em Hong Kong, foi libertado nesta terça-feira (11) sob fiança, após ter sido detido por violar a nova lei de segurança nacional imposta pela China.

Leia também: China sanciona 11 americanos por interferência em Hong Kong

Lai, 71 anos, realizou um pagamento de 500 mil dólares de Hong Kong (pouco mais de R$ 350 mil) para sair da prisão, informou a imprensa local.

Fomentador de protestos

Considerado um dos principais contribuintes dos movimentos pró-democracia na cidade um notório crítico do regime chinês, Lai foi detido ontem (10) na sede de seu jornal, o Apple Daily, alvo de uma operação de busca.

O fundador da varejista de moda Giordano e do grupo de mídia Next Digital, maior empresa de Hong Kong no setor, é chamado pela China de "traidor" e acusado de está por trás dos protestos que chacoalharam a cidade no ano passado.

Mais cedo, o jornal local já havia anunciado também a libertação sob fiança de Agnes Chow, uma jovem ativista e co-fundadora do ex-partido Demosisto. Chow e Li estavam entre os 10 presos por suspeita de "colusão com forças estrangeiras", um dos crimes previstos na lei de segurança nacional, e fraude.

Últimas