Maioria dos norte-americanos acredita ser perigoso reabrir escolas

Só 26% dos norte-americanos adultos disseram acreditar que é seguro as escolas de suas comunidades iniciarem aulas presenciais, aponta pesquisa

Médica colhe material para exame de garota nos Estados Unidos

Médica colhe material para exame de garota nos Estados Unidos

Michael Reynolds/ EFE / 24.05.2020

Somente um de cada quatro norte-americanos acha seguro reabrir as escolas durante o outono agora que os casos de coronavírus estão aumentando no país. E quatro de 10 pais disseram que provavelmente manteriam os filhos em casa se as aulas recomeçassem, mostrou uma nova pesquisa de opinião Reuters/Ipsos.

Leia mais: EUA têm recorde diário de casos por coronavírus pela 2ª vez seguida

A enquete nacional feita pela internet nos dias 14 e 15 de julho foi realizada enquanto os 13 mil distritos escolares do país debatem como retomar as aulas com segurança depois de fecharem durante a primavera por causa da disseminação das infecções.

Os resultados levam a crer que a exigência do presidente Donald Trump para que as escolas reabram totalmente contraria o que a maioria da população acredita.

Só 26% dos norte-americanos adultos disseram acreditar que é seguro as escolas de suas comunidades reconvocarem os alunos. Outros 55% acham que elas não estariam seguras, e 19% não tinham certeza.

A divisão da reação teve um viés partidário: metade dos republicanos disse crer que as escolas são seguras, mas só um de cada 10 democratas.

Entre os entrevistados com filhos em idade escolar, cerca de 4 em 10 disseram que dificilmente os mandariam à escola se o ensino presencial fosse retomado. Outros 5 de cada 10 disseram que os mandariam à escola, e o restante disse não ter certeza.

Recentemente, Trump fez da reabertura das escolas públicas um foco de sua campanha de reeleição, em parte para cortejar eleitores suburbanos, especialmente mulheres, cada vez mais descontentes com ele.

A pesquisa Reuters/Ipsos foi feita online em inglês em todo o país, entrevistou 1.114 norte-americanos adultos e tem uma margem de erro de três pontos percentuais.