Internacional Mais de 6 mil nigerianos deixam suas casas fugindo do Boko Haram nesta semana

Mais de 6 mil nigerianos deixam suas casas fugindo do Boko Haram nesta semana

A maior parte dos deslocados internos vieram de partes remotas de Borno

Mais de 6 mil nigerianos deixam suas casas fugindo do Boko Haram nesta semana

Ao todo 6.227 pessoas foram obrigadas a deixar suas comunidades no estado de Borno, no norte da Nigéria, durante a última semana para fugir dos ataques do grupo fundamentalista Boko Haram, informou nesta quinta-feira (12) a Nema (Agência Nacional de Gestão de Emergências).

O porta-voz da Nema, Ibrahim Abdulkarim, declarou aos jornalistas que o número de deslocados internos aumentará enquanto continuarem chegando pessoas a Maiduguri, a capital do estado nigeriano, considerada relativamente segura.

A maior parte dos deslocados internos vieram de partes remotas de Borno, próximas à fronteira com Camarões, onde o grupo terrorista gerou o caos nas comunidades locais durante os últimos dias.

Nigéria teme ação do Boko Haram contra torcedores durante Copa do Mundo

Outras 20 mulheres nigerianas foram sequestradas por supostos membros do grupo Boko Haram 

Mulher é estuprada e enforcada em árvore na Índia, este foi 5º caso em duas semanas

Outros deslocados estão indo para outros estados próximos, como Adamawa e Gombe, para escapar dos ataques da seita islamita.

A Nema proporcionou assistência aos deslocados internos, que estão se refugiando em acampamentos provisórios na cidade.

Comida e roupas, roupas de cama, assim como instalações sanitárias móveis são algumas das principais necessidades dos refugiados internos.

O Boko Haram, que mantém sequestradas mais de 200 meninas há quase dois meses e outras 20 mulheres há uma semana, raptadas também no norte do país, intensificou seus ataques em Borno e outros lugares desde janeiro.

Desde então, estima-se que a seita islâmica tenha matado mais de 2 mil pessoas, apesar de que Borno e outros dois estados, Adamawa e Yobe, estão sob um estado de emergência desde o maio passado.