Internacional Mais de 65 mil pessoas participam de manifestação pró-Crimeia em Moscou

Mais de 65 mil pessoas participam de manifestação pró-Crimeia em Moscou

No dia 16 de março, eleitores da Crimeia deverão votar sobre a anexação à Rússia

Frases como "A Crimeia é terra russa" ou "Crimeia, estamos com você" eram vistas em cartazes na manifestação

Frases como "A Crimeia é terra russa" ou "Crimeia, estamos com você" eram vistas em cartazes na manifestação

VASILY MAXIMOV/AFP

Mais de 65 mil pessoas se reuniram em Moscou nesta sexta-feira (7) para um evento em apoio aos habitantes da Crimeia, península ucraniana cujas autoridades pró-Rússia pediram anexação à Rússia, informou a polícia de Moscou.

Exibindo bandeiras russas e cartazes proclamando "A Crimeia é terra russa" ou "Crimeia, estamos com você", eles assistiram, logo atrás da Praça Vermelha a dois passos do Kremlin, um concerto que começou com uma música patriótica intitulada Officiers, interpretada pela estrela pop russa Oleg Gazmanov.

Uma delegação do Parlamento local da Crimeia, que se reuniu com parlamentares russos durante a manhã, se juntou ao espetáculo e exibiu uma faixa com a frase "Estamos juntos".

Putin pede que Obama não sacrifique relações entre Rússia e EUA

Parlamento russo afirma que respeitará "escolha histórica" da Crimeia em referendo

"Olá Crimeia! Ontem tomamos uma decisão histórica sobre a realização de um referendo", declarou o presidente do Parlamento da Crimeia, Vladimir Konstantinov, antes de ser aplaudido pela multidão que gritava "Bravo!".

"A Rússia não nos abandonará", acrescentou, pedindo apoio a todos os ucranianos, vítimas, segundo ele, de um governo "ilegítimo".

Dominada por pró-russos, o Parlamento local da Crimeia pediu na quinta-feira (6) a Vladimir Putin que anexe a península ucraniana à Rússia e anunciou a organização de um referendo em 16 de março a este respeito.

Os eleitores deverão escolher entre uma anexação à Rússia ou uma maior autonomia.

O Parlamento russo declarou nesta sexta-feira que apoiaria a "escolha histórica" da Crimeia.

CNN é impedida de continuar transmissão na Crimeia

Yanukovich está hospitalizado em estado grave, diz jornal russo

O presidente russo Vladimir Putin discutiu a questão com seu Conselho de Segurança.

Já o presidente ucraniano interino, Olexander Turtchinov, denunciou "um crime contra a Ucrânia cometido pelos militares russos" e anunciou o lançamento de um processo de dissolução do Parlamento da península.

Europeus e americanos também condenaram a decisão e anunciaram novas sanções diplomáticas e econômicas contra Moscou.

A Crimeia foi "dada" em 1954 à Ucrânia Soviética por Nikita Khrushchev, ele próprio originário da Ucrânia. Para evitar tentações separatistas, a Ucrânia, independente após a dissolução da URSS em 1992, concedeu o status de república autônoma.

Últimas