Coronavírus

Internacional Manifestantes anticonfinamento enfrentam a polícia na Austrália

Manifestantes anticonfinamento enfrentam a polícia na Austrália

Moradores de Sydney e de Melbourne estão proibidos de fazer viagens não essenciais e de realizar encontros públicos

AFP
Protestos nas ruas de Sydney, na Austrália, contra o lockdown da cidade

Protestos nas ruas de Sydney, na Austrália, contra o lockdown da cidade

Mick Tsikas/Reuters

Milhares de manifestantes anticonfinamento se protestaram neste sábado (24) nas duas maiores cidades da Austrália e vários foram detidos em Sydney, após confrontos com a polícia, informaram as forças de segurança.

Um grupo enfrentou agentes da polícia montada em Sydney, onde os manifestantes saíram às ruas para protestar contra a ordem de permanecer em casa durante um mês. 

Em Melbourne, a imprensa local informou que milhares de manifestantes estavam nas ruas sem máscara.

Os moradores das duas cidades estão proibidos de viagens não essenciais e encontros públicos, medidas que podem seguir vigentes até outubro, como deram a entender as autoridades.

"Várias pessoas foram detidas", informou a polícia de Sydney. 

Os organizadores convocaram uma manifestação pela "liberdade" e divulgaram sua mensagem nas redes sociais, também utilizadas para propagar notícias falsas sobre as vacinas e teorias da conspiração. 

Os helicópteros sobrevoaram as ruas de Sydney, cidade de cinco milhões de habitantes que luta contra um surto da variante Delta. 

O estado de Nova Gales do Sul, que tem Sydney como capital, informou neste sábado 163 novos casos para quase 2 mil infecções no surto atual. 

Quase metade dos 25 milhões de habitantes da Austrália estão sob medidas de confinamento em várias cidades.

A situação aumenta a irritação de muitos australianos com as restrições, que com frequência são cumpridas parcialmente, e a incapacidade do governo de oferecer mas vacinas: apenas 11% da população está completamente imunizada.

Stephen Jones, membro do Parlamento, chamou os manifestantes de "idiotas egoístas e imprudentes".

Últimas