Terror na Europa
Internacional Marrocos enviará ministro a manifestação de Paris "se não houver caricaturas"

Marrocos enviará ministro a manifestação de Paris "se não houver caricaturas"

Marrocos enviou várias mensagens de solidariedade à França nos últimos dias

Marrocos enviará ministro a manifestação de Paris "se não houver caricaturas"

Pessoas se reúnem para homenagear às vítimas do ataque terrorista

Pessoas se reúnem para homenagear às vítimas do ataque terrorista

ABDELHAK SENNA / EFE

O Marrocos enviará seu ministro das Relações Exteriores, Salah ad-Din Mezuar, à manifestação de domingo em Paris contra o terrorismo, embora tenha condicionado a presença a não haver na manifestação caricaturas de Maomé como as publicadas pelo jornal Charlie Hebdo.

Um comunicado do Ministério das Relações Exteriores emitido neste sábado (10) anunciou a participação de Mezuar "em sinal de solidariedade ao povo francês após os covardes atentados terroristas". No entanto, "caso caricaturas do profeta Maomé sejam apresentadas durante esta manifestação, o ministro das Relações Exteriores ou qualquer outro funcionário marroquino não participará".

O Marrocos enviou várias mensagens de solidariedade à França nos últimos dias, tanto do Palácio Real como do governo, mas comunicados inusualmente breves e protocolares, o que demonstra o difícil momento das relações diplomáticas entre os dois países.

Manifestação no Afeganistão chama de "heróis" responsáveis por Charlie Hebdo

Além disso, o Marrocos se mostrou nos últimos dias particularmente meticuloso com a questão da representação do profeta Maomé e de Deus em geral. O país censurou a exibição nas salas de cinema de uma passagem do filme "Êxodo: Deuses e Reis" em que uma criança diz "Eu sou..." sem completar a frase, por ser uma suposta personificação de Deus, algo proibido na tradição muçulmana. 

Polícia caça namorada de terrorista e outros cúmplices de atentado em Paris