Internacional May pede "transparência" ao príncipe saudita sobre Khashoggi

May pede "transparência" ao príncipe saudita sobre Khashoggi

Em encontro com Mohamad bin Salman na cúpula do G20, a premiê  também ressaltou a necessidade de dar uma "solução política" ao conflito no Iêmen

  • Internacional | da EFE

Theresa May sairá do cargo de primeira-ministra em poucos dias

Theresa May sairá do cargo de primeira-ministra em poucos dias

REUTERS/Toby Melville/17.05.2019

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, pediu neste sábado "transparência" no caso do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi e ressaltou a necessidade de dar uma "solução política" ao conflito no Iêmen, durante seu encontro em Osaka com o príncipe da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman.

A chefe do governo britânico, que deixará seu cargo no próximo mês abrindo passagem a um novo líder conservador, teve um encontro bilateral com o príncipe saudita durante a Cúpula do G20 no Japão.

Segundo revelou um funcionário governamental britânico ao jornal "The Guardian", May aproveitou essa reunião para pedir um "processo aberto e transparente" no caso do jornalista saudita, que foi brutalmente assassinado no consulado saudita em Istambul, na Turquia, em outubro de 2018.

"A respeito da responsabilidade pelo assassinato de Jamal Khashoggi, a primeira-ministra disse que o processo legal tem que ser aberto e transparente", declarou esse funcionário ao jornal britânico.

A mesma fonte acrescentou que, durante sua conversa, ambos líderes se mostraram de acordo sobre "a importância da relação" entre o Reino Unido e a Arábia Saudita e da "estabilidade regional".

Veja também: Jair Bolsonaro sinaliza novos pactos comerciais após acordo UE-Mercosul

Uma relatora especial da ONU determinou recentemente que o jornalista saudita foi "vítima de uma execução deliberada e premeditada, de um assassinato extrajudicial pelo qual o Estado da Arábia Saudita é responsável".

Sobre o conflito no Iêmen, onde intervém desde 2015 uma coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita, que foi acusada de atacar civis, Theresa May "reiterou a necessidade de seguir trabalhando para achar uma solução política com a qual pôr fim ao conflito, que está ocasionando um significativo sofrimento humanitário".

A ONU qualificou esse conflito como a pior crise humanitária atual, na qual morreram 17.700 civis e 3,3 milhões de pessoas seguem deslocadas, segundo dados divulgados no último mês de fevereiro.

Últimas