Novo Coronavírus

Internacional Médicos de UTIs na Alemanha pedem volta do confinamento

Médicos de UTIs na Alemanha pedem volta do confinamento

Autoridades sanitárias alemãs vêm alertando sobre uma 3ª onda de casos vinculada à propagação da cepa detectada do Reino Unido

  • Internacional | Da AFP

Estabelecimentos considerados não essenciais permanecem fechados no país

Estabelecimentos considerados não essenciais permanecem fechados no país

Sascha Steinbach / EFE - 12.03.2021

A associação alemã de médicos das unidades de terapia intensiva pediu, nesta segunda-feira (15), a volta imediata de restrições severas para enfrentar a terceira onda de covid-19, depois da flexibilização adotada pelas autoridades.

"Segundo os dados de que dispomos e por causa da disseminação da variante britânica, defendemos veementemente uma volta a um confinamento a partir de agora para, simplesmente, evitar uma terceira onda forte" de covid-19, afirmou o diretor científico da associação de médicos de cuidados intensivos, Christian Karagiannidis, à rádio pública alemã.

Se o governo e as regiões não restabelecerem imediatamente restrições mais severas, o número de pacientes em terapia intensiva pode alcançar, rapidamente, "5.000 ou 6.000", se "dermos ao vírus a chance de se propagar", advertiu Karagiannidis na rádio RBB. Hoje, as unidades de terapia intensiva atendem 2.800 pacientes.

As autoridades sanitárias alemãs vêm alertando, há vários dias, sobre o impacto de uma terceira onda da pandemia, vinculada à propagação da cepa de covid-19 inicialmente detectada no Reino Unido. Esta variante fez o número de casos disparar.

Na Alemanha, continuam sendo aplicadas importantes restrições, como o fechamento de bares, restaurantes, espaços culturais e esportivos, assim como lojas consideradas não essenciais. Escolas e jardins de infância reabriram no final de fevereiro, mas com grupos reduzidos pela metade. Regras sobre o contato interpessoal foram flexibilizadas pelas autoridades.

Últimas