Novo Coronavírus

Internacional Médicos italianos alertam que hospitais estão à beira do colapso 

Médicos italianos alertam que hospitais estão à beira do colapso 

Trabalhadores da saúde denunciam que centros médicos não tem mais vagas e leitos e que pacientes esperam até 10 horas para serem atendidos

  • Internacional | Da EFE

Hospitais italianos estão à beira do colapso

Hospitais italianos estão à beira do colapso

Ciro De Luca/Reuters - 12.11.2020

Associações de médicos e enfermeiras italianas têm alertado que todos os hospitais do país estão "à beira do colapso", tendo já ultrapassado o número de pacientes internados por coronavírus da primeira onda.

Na Itália, as infecções na quarta-feira (11) ultrapassaram a marca simbólica de um milhão de casos e com 29,5 mil pessoas hospitalizadas, número que nunca foi alcançado nem mesmo durante a primeira onda.

Os centros hospitalares "estão agora à beira do colapso, devido à falta de pessoal e de leitos face ao afluxo anormal de pacientes devido à propagação rápida e vertiginosa da infecção da covid. Mensagens que acalmam a situação não devem ser dadas", escrevem eles. uma carta aberta a várias associações de médicos, geriatras e enfermeiras de medicina interna.

Eles denunciam a "dramática situação hospitalar" devido à pandemia do novo coronavírus e asseguram que em muitas regiões as taxas de ocupação dos hospitais estão agora acima de 100% e é explicado que o acesso a eles de pacientes sem a doença " está encolhendo. "

“Uma consequência provável, se não certa, será a incapacidade de garantir padrões de qualidade para o atendimento de todos os pacientes crônicos e agudos não cobiçados”, acrescentam.

A associação denuncia ainda que a informação de que a ocupação dos hospitais gira em torno de 30 ou 40% "não é real".

“Não é o que está representado e todos nós vivemos grandes dificuldades a cada dia para receber, atender e transferir os muitos pacientes que chegam ao pronto-socorro em números superiores à capacidade receptiva de nossas estruturas”, alertam.

Filas e falta de vagas

As imagens desses dias na Itália são de carros e ambulâncias enfileirados por horas diante de emergências hospitalares.

Os responsáveis ​​do hospital Cotugno, em Nápoles, explicam que não há lugar para nenhum paciente nem no chão nem na UTI, apesar das filas das ambulâncias. Eles explicam que os pacientes que chegam passam por um teste rápido, medem a saturação de oxigênio e são encaminhados para casa ou encaminhados para outros centros da região. Às vezes, eles passam até 10 horas dentro dos veículos.

Na quarta-feira, um dos pacientes com coronavírus positivo que compareceu ao Cardarelli em Nápoles foi encontrado morto em um dos banheiros do hospital.

A situação de Nápoles e da sua região, Campânia, está no centro do debate no país, visto que o governo continua a considerá-la uma zona amarela, ou seja, não é uma zona de alto risco e, portanto, sem restrições adicionais.

A mídia italiana explica que novas decisões do governo são esperadas na sexta-feira, incluindo a situação na Campânia e até mesmo um leve confinamento em nível nacional.

Últimas