Internacional Metade das mulheres presas no Líbano sofreram torturas, revela ONG

Metade das mulheres presas no Líbano sofreram torturas, revela ONG

Centro Libanês dos Direitos Humanos critica o Código Penal do Líbano

Organização alega que  presas não podem conversar com advogados

Organização alega que presas não podem conversar com advogados

AP/Hussein Malla

O Centro Libanês dos Direitos Humanos (CLDH) denunciou que mais da metade das mulheres detidas em prisões do país sofreram torturas e maus tratos, revelou relatório divulgado nesta sexta-feira (17) pela imprensa local.

"As forças de segurança torturaram de forma severa 52% das mulheres presas em 2013 e 2014 durante seus interrogatórios", indicou o levantamento produzido pela CLDH.

As presas foram alvos de agressões, humilhações, insultos, ameaças e violações de sua intimidade, efetuadas por guardas exclusivamente do sexo masculino, afirmou a organização.

Líbano lembra início de guerra civil para que erros do passado não se repitam

"As disposições do artigo 47 do Código Penal do Líbano são insuficientes para proteger das torturas as pessoas que já estão sob custódia, sejam elas homens ou mulheres", criticou a entidade.

A organização de direitos humanos alega que as presas não podem conversar em particular com seus advogados para denunciar esse tipo de prática, por isso é raro que as autoridades do país intervenham.

"As mulheres continuam sendo vítimas de prisões ilegais e torturas nas mãos da Segurança Nacional, que viola deste modo as leis do país e os compromissos internacionais do Líbano", destacou o secretário-geral do CLDH, Wadih Asmar.

Desde 2009, o CLDH supervisiona de modo permanente a prática da tortura nas prisões libanesas, com base em entrevistas com presos, testemunhos individuais e observações de outras organizações nacionais, internacionais e da ONU. Segundo dados levantados pela entidade, em cinco anos (2009-2014), a porcentagem de presos torturados nas prisões do país sofreu poucas alterações, mantendo-se em cerca de 60%.

Últimas