México: atiradores afugentam polícia e libertam filho de 'El Chapo'

Olvídio Guzman foi detido brevemente nesta quinta-feira, provocando onda de violência em Culiacán; ministro diz que o recuo resguardou os policiais

Prisão provocou onda de violência na cidade de Culiacán, no estado de Sinaloa

Prisão provocou onda de violência na cidade de Culiacán, no estado de Sinaloa

reprodução/reuters TV

Fortemente armados, homens do cartel de Sinaloa cercaram agentes da Guarda Nacional do México e libertaram o filho do traficante Joaquin 'El Chapo' Guzman. Ovidio Guzman havia sido detido brevemente nesta quinta-feira (17), o que provocou uma onda de violência nas ruas de Culiacán, no estado de Sinaloa, no norte do país.

Segundo o ministro de Segurança, Alfonso Durazo, policiais da Guarda Nacional foram atacados a primeira vez dentro de uma casa na cidade, 600 km a noroeste da Cidade do México.

Ovídio lidera facção do cartel

Ovídio lidera facção do cartel

Reprodução via Twitter

No imóvel, encontraram quatro homens, entre eles Ovidio Guzman, acusado de tráfico de drogas nos Estados Unidos.

A patrulha foi rapidamente dominada pelos homens do cartel. Mas segundo Durazo, a decisão de recuar foi tomada para proteger a vida dos agentes da Guarda Nacional e restaurar a calma na cidade de Culiacán, onde os bandidos criaram barreiras e promoveram uma onda de violência nas ruas.

De acordo com a imprensa mexicana, José Luis González Meza, advogado de Ovídio Guzman, confirmou que o seu cliente foi libertado. Meza disse que a família havia perdido contato com ele na tarde desta quinta-feira, mas que depois Ovídio informou a eles que estava 'bem e livre'. 

O advogado ainda teria sugerido que talvez o Governo do México se enganou de pessoa ao prender Olvidio Guzman e que essa falta de informação durante mais de quatro horas teria causado a onda de violência na cidade de Culiacán. 

Leia também: Julgamento de 'El Chapo' nos EUA não deve baixar violência no México

As cenas caóticas em Culiacán, um reduto do cartel dos Guzmans em Sinaloa, aumentaram a pressão sobre o presidente Andrés Manuel Lopez Obrador, que assumiu o cargo, em dezembro do ano passado, prometendo pacificar o país,

No início desta semana, mais de uma dúzia de policiais foram mortos no oeste do México, e 14 suspeitos foram mortos pelo Exército no dia seguinte.

Joaquin 'El Chapo' Guzman liderou o cartel de Sinaloa por décadas, escapando da prisão duas vezes antes de ser preso e extraditado para os Estados Unidos. Em fevereiro deste ano, ele foi considerado culpado em um tribunal norte-americano por tráfico de drogas e condenado à prisão perpétua.

Acredita-se que ele tenha 12 filhos, incluindo Ovidio. O Departamento de Justiça dos EUA divulgou uma acusação contra Ovídio e outro irmão em fevereiro, por conspiração para distribuir cocaína, metanfetamina e maconha nos Estados Unidos.