Internacional Mianmar: EUA classificam tomada de poder como 'golpe de Estado'

Mianmar: EUA classificam tomada de poder como 'golpe de Estado'

Departamento de Estado norte-americano afirma  que vai cortar parte da verba de ajuda internacional para o país asiático

  • Internacional | Da EFE

Veículos da polícia deixam casa onde estão os parlamentares em pri
são domiciliar

Veículos da polícia deixam casa onde estão os parlamentares em pri são domiciliar

Maung Lonlan / EFE - EPA - 2.2.2021

O Departamento de Estado dos EUA classificou nesta terça-feira (2) como "golpe de Estado" os fatos ocorridos desde a manhã de segunda em Mianmar e anunciou que restringirá as ajudas dirigidas ao governo do países asiático, embora continuará oferecendo assistência humanitária à população, inclusive à minoria rohingya.

Leia também: Generais de Mianmar endurecem, e partido de Suu Kyi exige libertação

"Depois de ter revisado os fatos e as circunstâncias, concluímos que Aung San Suu Kyi, a líder do partido no poder, e Win Myint, o devidamente eleito presidente birmanês, foram depostos em um golpe militar, em 1º de fevereiro", indicou uma representante do Departamento de Estado, em entrevista coletiva virtual.

A designação do termo para os fatos ocorridos significa que Washington, imediatamente, revisará os US$ 108 milhões (R$ 581,7 milhões) que havia aprovado para destinar à Mianmar neste ano fiscal.

Decisão simbólica

A decisão, no entanto, tem um valor simbólico, já que "muito pouco" do montante vai diretamente ao governo do país, pois a maioria é encaminhada à sociedade civil, conforme explicou da fonte no Departamento de Estado americano.

Isso fará com que, a partir de agora, o órgão revisar qualquer ajuda que possa beneficiar, indiretamente, aos militares birmaneses, afirmou a funcionária.

Ficarão isentos de qualquer restrição, no entanto, os auxílios humanitários que recebem os membros da minoria rohingya, majoritariamente muçulmana, que em agosto de 2017 foi perseguida e reprimida violentamente pelo exército de Mianmar, em atos que a ONU classificou como "exemplo de limpeza étnica".

Também seguirão em curso os programas dos Estados Unidos para apoiar a democracia no país e incentivar a participação da sociedade civil, informou a fonte.

Como já fez a Casa Branca, o Departamento de Estado também solicitou aos responsáveis pelo golpe a libertação de políticos presos e indicou que os EUA tomarão "ações contra os responsáveis" pelas ações.

Por último, a fonte revelou que a Embaixada dos EUA em Mianmar tentou entre em contato com Suu Kyi, que está em prisão domiciliar, na capital do país, e com outros líderes locais que estão na mesma situação, mas que ainda não houve qualquer resultado.

Últimas