Internacional Mianmar indulta e liberta jornalista americano Danny Fenster

Mianmar indulta e liberta jornalista americano Danny Fenster

Ao desembarcar no Catar, repórter disse que foi preso e mantido em cativeiro sem qualquer motivo

AFP
Jornalista americano Danny Fenster, que foi preso em Mianmar, chega a Aeroporto
 no Catar

Jornalista americano Danny Fenster, que foi preso em Mianmar, chega a Aeroporto no Catar

Karim Jaafar/AFP - 15.11.2021

Após ser libertado da prisão, indultado e expulso de Mianmar na última segunda-feira (15), o jornalista americano Danny Fenster disse, ao desembarcar em Doha, que foi "detido sem motivo", mas que não "passou fome, nem foi agredido".

"Fui preso e mantido em cativeiro sem qualquer razão (...) mas fisicamente estava são. Não passei fome, nem fui agredido", declarou o repórter, em sua chegada a Doha, capital do Catar.

Fenster foi indultado antes de ser solto por "razões humanitárias", após negociações com o ex-diplomata americano Bill Richardson e com dois enviados japoneses, declarou a junta militar birmanesa em um comunicado. 

Sua libertação foi obtida por meio de "negociações cara a cara" entre o chefe da junta, Min Aung Hlaing, e Richardson, disse a assessoria do ex-diplomata americano, em uma nota. Agora, ambos seguem para os Estados Unidos, "via Catar, por um dia e meio", acrescentou.

"Estamos muito felizes que Danny tenha sido libertado e esteja a caminho de casa. Estamos ansiosos para tê-lo em nossos braços", afirmaram os familiares do jornalista em um comunicado. 

"Somos imensamente gratos a todas as pessoas que ajudaram a garantir sua libertação, especialmente ao embaixador Richardson, assim como aos nossos amigos e ao público que expressou seu apoio e esteve ao nosso lado, enquanto suportamos estes longos e difíceis meses", acrescentou o texto.

O Departamento de Estado americano também saudou a libertação. Uma foto publicada por Richardson mostra Fenster de bermuda e chinelo na frente de um pequeno avião, na pista do aeroporto de Naipyidaw, capital de Mianmar.

Fenster, de 37 anos, é o primeiro jornalista ocidental a ser detido em muitos anos em Mianmar. Os militares tomaram o poder em fevereiro deste ano, derrubando o governo civil de facto liderado por Aung San Suu Kyi. 

O repórter do veículo Frontier Myanmar foi condenado a 11 anos de prisão, na sexta-feira (12), por incitação à dissidência, associação ilegal e violação da lei de vistos. 

O jornalista trabalhava para a Frontier Myanmar desde meados de 2020. Cobriu o golpe militar e a posterior repressão à dissidência. No momento de sua prisão, no Aeroporto Internacional de Yangon, em 24 de maio, Fenster se preparava para pegar um avião para deixar o país.

"Não fez nada de errado"

"É uma notícia maravilhosa para todos, tanto amigos quanto familiares", disse à AFP Andrew Nachemson, um de seus colegas no Frontier Myanmar. 

"Mas, é claro, ele nunca deveria ter tido de passar seis meses na prisão (...), e todos os jornalistas locais que permanecerem na prisão também deveriam ser libertados imediatamente", acrescentou. 

Richardson chegou no início do mês a Naipyidaw, como parte de uma "missão humanitária" privada, declarando que o Departamento de Estado americano pediu a ele que não abordasse o caso de Fenster durante sua visita. 

Fenster ficou preso durante 176 dias e contraiu Covid-19 durante sua detenção, relataram familiares em uma teleconferência com jornalistas americanos em agosto passado. 

"Esta é uma notícia fantástica para Danny e sua família", disse à AFP Richard Horsey, especialista em Mianmar da ONG International Crisis Group. "Ele não fez nada de errado e não teria que passar por esse inferno", frisou.

"É importante, neste momento, também lembrar dos jornalistas birmaneses que se encontram detidos injustamente e que devem ser libertados", completou.

Mianmar foi mergulhada no caos em 1º de fevereiro, por conta do golpe de Estado que pôs fim a um hiato democrático de uma década. 

O regime mantém uma repressão sangrenta contra a oposição, com um balanço de mais de 1.200 civis mortos e 7.000 detidos, segundo a Associação de Assistência a Presos Políticos (AAPP). A ONG local denunciou casos de tortura, estupro e execuções extrajudiciais cometidos pelas forças da ordem.

Mais de 100 jornalistas foram presos desde o golpe, de acordo com a Reporting ASEAN, uma associação de defesa da liberdade de imprensa. Segundo esta ONG, 31 deles continuam detidos. 

Últimas