Coronavírus

Internacional Milhares de australianos protestam contra medidas anti-Covid 

Milhares de australianos protestam contra medidas anti-Covid 

Manifestantes vão às ruas do país contra vacinação obrigatória determinada pelo governo a alguns setores da sociedade

  • Internacional | Da EFE, com R7

Cartazes afirmam que vacinar criança é genocídio

Cartazes afirmam que vacinar criança é genocídio

EFE / EPA / JAMES ROSS

Milhares de australianos participaram neste sábado (20) de protestos em várias cidades do país contra as medidas anti-Covid e contra a vacinação obrigatória.

Os manifestantes responderam assim a um evento internacional denominado “Protesto Mundial pela Liberdade” que tem sido convocado em muitos países para criticar as restrições e a política de vacinas por ocasião da pandemia.

“Vacinar crianças é genocídio” ou “Não à vacinação obrigatória” foram algumas das mensagens mostradas pelos manifestantes nos protestos na Austrália, em cidades como Sydney, Melbourne e Perth.

As autoridades australianas, que conseguiram vacinar mais de 70% de sua população contra a Covid-19, exigem a vacinação em alguns setores, como educação e saúde, embora as regras variem de estado para estado.

Em setembro deste ano, houve dezenas de prisões de manifestantes antivacina em protestos contra as medidas contra a pandemia. Ocorreram cenas de violência em Melbourne, capital do estado de Victoria.

As passeatas do mês passado foram convocadas por sindicatos de trabalhadores da construção civil, que criticavam a obrigatoriedade de se vacinar para conseguir emprego.

As autoridades australianas, que fecharam suas fronteiras em março de 2020, permitiram a entrada de australianos vacinados e residentes permanentes a partir de 1º de novembro, sem necessidade de quarentena nas cidades de Sydney e Melbourne.

A Austrália, que no mês passado teve um surto de Covid-19 ligado à variante Delta, acumulou mais de 196.000 infecções e cerca de 1.933 mortes desde o início da pandemia.

Últimas