Milhares de iraquianos protestam contra ataques de EUA e Irã

Protestos ocorreram em Bagdá e outras nove províncias do Iraque, Manifestantes pediram também a formação de um novo governo 

Manifestantes gritaram contra Washington e Teerã

Manifestantes gritaram contra Washington e Teerã

Khalid al-Mousily/ Reuters - 26.10.2019

Milhares de pessoas protestaram nesta sexta-feira (10) em Bagdá e outras nove províncias do Iraque contra os recentes ataques de Estados Unidos e Irã no território iraquiano, pedindo também a formação de um novo governo que ajude o país a recuperar a soberania.

Entre fortes medidas de segurança e apesar das tropas mobilizadas perto das praças de diferentes cidades, os manifestantes gritaram contra Washington e Teerã por transformarem o Iraque "em uma praça de prestação de contas" e contra os políticos iraquianos corruptos que permitiram a atual situação, segundo eles.

Um dos organizadores, Sabah Nabil, explicou à Agência Efe que as manifestações, das quais "dezenas de milhares" de pessoas de todo o país estão participando, são uma resposta às convocações feitas nos últimos três dias e que a participação na Praça Tahrir da capital está muito maior do que nas semanas anteriores.

Os protestos, convocados para o início da tarde, começaram pela manhã e se intensificaram depois da oração muçulmana de sexta-feira, como vem acontecendo desde o ínício, em outubro.

"Nossas exigências continuam as mesmas: remover os corruptos e levá-los à justiça, e eleger um novo primeiro-ministro que seja independente" para que "o sofrimento do povo termine e a soberania seja recuperada", disse Nabil.

Os manifestantes também pedem eleições antecipadas sob a liderança de uma Comissão Eleitoral "honesta" e a supervisão da ONU.

As demandas da população ficaram em segundo plano na semana passada, após os Estados Unidos matarem o general iraniano Qasem Soleimani em Bagdá. Em resposta, o Irã atacou duas bases militares no Iraque.

A Célula de Informação de Segurança informou em comunicado de imprensa que tomou medidas para garantir o desenvolvimento pacífico dos eventos convocados para esta sexta.